1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

A legião de estrangeiros que entra em campo nesta Copa do Mundo

Jamil Chade - enviado especial ao Rio de Janeiro - O Estado de S. Paulo

21 Junho 2014 | 17h 00

Cada vez mais, as seleções de futebol contam com jogadores que nasceram em outros países e se naturalizaram para jogar futebol

Na certidão de Rio Mavuba, que nesta Copa defende a França, o local de nascimento está apenas marcado como "Alto-Mar". Seu pai jogou pelo Zaire na Copa de 1974. Mas os conflitos o levaram para Angola. Quando a guerra civil se intensificou nos anos 80, a família voltou a emigrar, desta vez para a Europa. No caminho, o futuro craque nasceu.

A Copa de 2014 é uma vitrine da recente história da migração internacional, da fome, do sofrimento e do acolhimento de outras sociedades. Garotos que chegaram como refugiados ou imigrantes pobres hoje representam seus países adotivos, ainda que nem sempre o país esteja pronto para considerá-lo como um semelhante.

Rio Mavuba nasceu em Alto-Mar e escolheu jogar pela França

Na Europa, o futebol tem servido como forma de integrar populações mais carentes e dar à juventude das periferias de Paris, Berlim ou Londres o sonhado bilhete da ascensão social. Numa sociedade onde a xenofobia é cada vez mais presente, os times em campo levam a bandeira de seus países e reabrem o debate sobre o que é a identidade de uma nação e o papel dos imigrantes na remodelação dessa identidade nacional.

No total, 83 atletas que percorrem os estádios da Copa não nasceram no país pelo qual vestem a camisa. Se forem somados todos os que são filhos de imigrantes, a taxa chega a mais de 200 e confirma a tese do historiador Eric Hobsbawm de que "uma nação imaginária de milhões nunca é mais real que um time de onze".

Um exemplo é a França. Dois dos 23 jogadores nasceram fora do país (além de Mavuba, o senegalês Evra). Mas metade do time é de filhos de imigrantes. Varane e Remy têm pais da Martinica. O pai de Matuidi chegou da Angola, a família de Mangala fugiu da guerra na República Democrática do Congo. Já Sissoko nasceu na França depois de seus pais abandonarem o Mali. Benzema tem família argelina e Pogba, da Guiné. Sagna e Sakho são filhos de senegaleses.

Marcos Brindicci/Reuters
Benzema tem família argelina, mas prefere jogar pela França

Situação parecida é vista na Alemanha. O pai de Özil é turco, a família de Khedira vem inteira da Tunísia. Klose nasceu na Polônia, assim como Podolski. Boateng tem sua família ainda em Gana e Mustafi é kosovar.

O time holandês tem quatro jogadores de ex-colônias. Na Bélgica, seis jogadores são imigrantes ou de famílias que deixaram seus países de origem por conta da guerra. Kompany e Lukaku têm origens na República Democrática do Congo e Dembélé vem do Mali. Na Itália, Balotelli recebeu a cidadania europeia aos 18 anos.

Cinco jogadores da Bósnia viviam no exterior quando passaram a jogar pela seleção. Eles eram filhos de refugiados que, por conta da guerra nos anos 90, tiveram de sair do país. Outros quatro nasceram no exterior.

Uma das maiores taxas de participação de estrangeiros no time é da Suíça. Sete dos 11 titulares não nasceram no país ou são filhos de estrangeiros. Drmic vem da Croácia e os pais de Inler são da Turquia. Dzemaili nasceu nos Balcãs e a grande estrela do time, Shaqiri nasceu no Kosovo.

Mas nem sempre a integração funciona. No total, 25 jogadores nascidos na França e outros 14 "alemães" jogam por outras seleções. Optaram por defender os países de onde vieram suas famílias por não se sentirem europeus diante da exclusão social que viveram nas periferias das metrópoles. A Argélia é a recordista em estrangeiros: 16 dos 23 convocados nasceram na França.

Copa 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo