Abel aprova retorno de Scarpa e diz que deixou Calazans fora do banco por opção

Meia jogou onze minutos neste domingo

Estadão Conteudo

15 Maio 2017 | 09h30

Após 79 dias afastado dos gramados, o meia Gustavo Scarpa enfim voltou ao Fluminense neste domingo. Ele entrou em campo no segundo tempo e jogou por apenas 11 minutos. O técnico Abel Braga aproveitou a vantagem de 3 a 1 sobre o Santos, no Maracanã, para dar ritmo de jogo ao jogador, que mostrou cansaço quando o jogo ganhou em velocidade nos minutos finais.

"Ele tinha feito um treino espetacular na quarta-feira, quando estávamos no Uruguai. Ele já tinha trabalhado forte duas vezes na semana. E não tinha mais o que esperar. Quando o jogo estava 3 a 1 e era o momento dele entrar. Mas o Santos foi pra cima e ele teve que ir para o contra-ataque e sentiu o ritmo. Normal. Agora é tempo dele recuperar a forma e o lugar dele no time", avaliou Abel Braga.

Mesmo sem Scarpa na maior parte do jogo, o Fluminense dominou o Santos, graças principalmente ao atacante Henrique Dourado. O autor de dois gols ganhou elogios do treinador.

"Torcedor hoje reclama do reserva do reserva e esquece do Henrique Dourado, que está jogando bem. O cara chega num momento que o time estava mal, substituindo o Fred. E sobrou pra ele. Estou feliz com o Dourado. E muita gente hoje deve estar dizendo: 'Puxa, como foi critico com esse cara'", afirmou.

Abel defendeu a opção por Dourado nas últimas semanas ao ser questionado sobre a ausência do atacante Calazans até mesmo do banco de reservas. O jogador vinha sendo improvisado na lateral-esquerda.

"Renato joga nas duas laterais e é uma boa opção que tenho. Na Sul-Americana, por exemplo, só me permitem ter sete no banco. Hoje, no Brasileiro, foi opção. Mas Renato tem vindo bem e Calazans é improvisação. Léo é muito bom na defesa e hoje foi muito bem no ataque. Torcedor pode reclamar quando o time titular não esta cumprindo, mas está sim. Agora, reclamar de reserva é passar um pouco do ponto", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.