Ademir, o Divino, vira documentário

O estilo seco mas elegante de Ademir da Guia inspirou o poeta João Cabral de Melo Neto, que lhe dedicou um poema. O texto, escrito em idêntico estilo cortante, entusiasmou o cineasta Penna Filho, que planejou realizar um documentário sobre um dos maiores jogadores do futebol brasileiro. Em abril, mês em que Ademir completa 60 anos, o projeto vai sair do papel. ?O lançamento oficial deve acontecer no final do mês, no Parque Antártica?, comenta o diretor, que vai bancar o filme por meio da sua produtora, a Penna Filho Produções, e a empresa Indústria de Eventos. Com o título provisório de ?Um Craque Chamado Divino?, o documentário de longa-metragem vai percorrer todos os anos da vida de Ademir, desde a infância e a forte influência do pai, Domingos da Guia, passando pelo início da carreira, no Bangu, até a consagração no Palmeiras, sem esquecer a tímida passagem pela seleção brasileira. ?Pretendo combinar imagens da época com entrevistas de pessoas que foram decisivas em sua trajetória?, conta Penna Filho, que planeja contar com nomes respeitáveis na produção, como Armando Nogueira na elaboração do roteiro. ?Fizemos um contato e estamos aguardando uma resposta.? Além do filme, a cerimônia programada para o fim de abril vai lançar também produtos relacionados, como o DVD, CD Rom e o CD com a trilha sonora. ?Será um pacote completo relacionado ao Ademir?, comenta Mário Ruas, proprietário da Indústria de Eventos, que deve enviar o projeto, na segunda-feira, para a Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura, inscrevendo-o nas leis de incentivo fiscal. No documento, consta o orçamento previsto do filme: R$ 450 mil. Enquanto aguarda a aprovação do projeto, Ruas já iniciou a seleção de imagens históricas, pesquisando nos arquivos do Canal 100 e das emissoras Cultura e Bandeirantes. Ao mesmo tempo, prepara o plano de filmagens, que vão acontecer em diversas cidades do País. Trilha sonora ? Em seu roteiro, Penna Filho pretende ainda fazer uma reconstituição da época em que Ademir jogou. Assim, para marcar sua chegada ao Palmeiras, em 1961, as imagens terão, como trilha sonora, os sucessos daquele ano. ?Quero também confirmar certas histórias, como a do alívio do Bangu em se desfazer do Ademir, no mesmo ano de 61?, conta o diretor. ?Segundo a versão oficial, os dirigentes queriam se livrar dele.? Outro assunto polêmico a ser tratado no documentário é a pequena participação de Ademir da Guia na seleção brasileira. Convocado para disputar a Copa da Alemanha, em 1974, ele ficou no banco a maioria dos jogos. ?Vamos ouvir os responsáveis pela comissão técnica, como o técnico Zagallo?, conta Penna Filho, que pretende ainda organizar um debate entre cronistas sobre o assunto. A arte do Divino, porém, vai sobressair a polêmica. Mário Ruas quer pesquisar na Espanha textos sobre as conquistas palmeirenses na década de 60, quando a imprensa comparou Ademir da Guia a uma orquestra de violinos. ?Como é o personagem principal do documentário, ele vai receber um cachê de protagonista, além de ganhar também pela cessão de direitos de imagem?, conta o produtor do filme.

Agencia Estado,

20 Março 2002 | 18h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.