Lucas Uebel/Divulgação
Lucas Uebel/Divulgação

Admirador de Felipão, Roger convence Palmeiras pelo perfil estudioso

Novo treinador do clube alviverde considera ex-técnico da seleção brasileira como exemplo para a carreira

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

23 Novembro 2017 | 07h00

A ligação entre Palmeiras e Roger Machado é mais antiga do que o anúncio da contratação dele, feito na noite desta quarta-feira. A aproximação entre as duas partes começou no ano passado, motivada principalmente pela admiração de dirigentes alviverdes pelo treinador, tido como jovem, estudioso e com experiência no futebol forjada principalmente pelos 14 anos como jogador.

+ Mayke e Edu Dracena voltam aos treinos

+ Keno afirma que elenco lamentou saída de Valentim

Aos 42 anos, o treinador atuou como zagueiro e volante. Roger é formado em educação física e costuma acompanhar incessantemente partidas de futebol, munido com um caderno para fazer anotações sobre tática. O perfil detalhista e o apreço pela área acadêmica atraíram o Palmeiras, que fechou com ele contrato por uma temporada.

O jovem técnico tem como curiosa ligação com o clube alviverde o fato de ter se inspirado nos ex-comandantes palmeirenses Vanderlei Luxemburgo e Luiz Felipe Scolari. Como jogador, Roger foi comandado por Scolari na década de 1990 pelo Grêmio e conquistou títulos importantes, como Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro e Copa Libertadores. A convivência, inclusive, fez o ex-volante apontar diversas vezes Felipão como uma grande inspiração para a carreira.

Já aposentado dos gramados, o ex-volante se tornou auxiliar do tricolor gaúcho e trabalhou com três treinadores: Renato Gaúcho, Caio Júnior e, por fim, Vanderlei Luxemburgo. No começo de 2014, decidiu deixar de ser auxiliar e se tornar treinador. O primeiro trabalho foi no Juventude, seguido por passagem pelo Novo Hamburgo – foi semifinalista do Campeonato Gaúcho de 2015.

A proposta para assumir o Grêmio veio em maio daquele ano, para substituir exatamente Felipão. Roger classificou a equipe para a Copa Libertadores do ano seguinte. A saída se deu em setembro de 2016, durante sequência de maus resultados no Brasileiro.

Curiosamente, nos meses finais do ano passado, Palmeiras e Roger se aproximaram pela primeira vez. A diretoria procurava um substituto para Cuca e chegou a manter contato com o treinador. O clube chegou a aguardar a resposta do técnico por alguns dias, até resolver contratar Eduardo Baptista.

Logo depois, Roger aceitou a proposta do Atlético-MG. Pelo time o treinador ganhou o primeiro título da carreira, o Campeonato Mineiro deste ano. A passagem se encerrou em julho, após derrota em casa para o Bahia. Desde então, ele voltou a morar em Porto Alegre e recusou sondagens, alegando que só iria voltar a trabalhar no começo de 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.