Alex, solidário, defende Souza

Muito tem se falado que o encontro entre São Paulo e Palmeiras, nesta quarta-feira, no Morumbi, pelo Torneio Rio-São Paulo, seria o ?clássico do ciúme?, motivado pelo fato de o time comandado por Nelsinho Baptista estar ganhando uma atenção muito maior que a equipe do técnico Vanderlei Luxemburgo. Alex quebrou esse clima de rivalidade para mostrar solidariedade com um de seus adversários, o meia Souza, que assim como ele é atormentado pelo estigma de ?sonolento?. Alex admite que a fama já o incomodou. ?Até uns quatro ou cinco anos atrás o assunto me afetava. Hoje, passo batido?, disse o meia do Palmeiras, que tem uma explicação para o surgimento do fenômeno. ?O que acontece na imprensa é que um comentarista ou narrador fala uma coisa e todo mundo acaba copiando, criando um rótulo. E futebol é rótulo?, desabafou. O jogador do Palmeiras afirmou que fica particularmente aborrecido por entender que tanto ele quanto seu colega de posição do São Paulo recebem um tratamento diferenciado e injusto por conta da fama que os persegue. ?Quando certos jogadores não têm uma boa atuação falam que fulano não estava em um bom dia, ou não conseguiu sair da marcação. Isso nunca acontece comigo: quando vou mal, foi porque eu me desliguei, porque eu dormi em campo, e o mesmo acontece com o Souza.? Importância ? Alex garante que sempre assumiu suas responsabilidades individuais em um jogo, assim como o meia adversário e o mesmo deverá acontecer na partida desta quarta-feira, no Morumbi. ?Sempre fui importante no Palmeiras, assim como o Souza é no São Paulo desde o começo do campeonato e foi fundamental no Atlético-PR no ano passado.?

Agencia Estado,

19 Março 2002 | 19h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.