1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Alosanfã

Verissimo

Não tocaram os hinos antes de França e Honduras, no Beira-Rio. Falha técnica ou incrível coincidência, porque eu ia sugerir que fosse proibido tocar a Marselhesa antes de jogos da seleção francesa. A Marselhesa tem tamanha carga dramática e é tão empolgante (“Às armas, cidadãos!”) que dá vantagem injusta aos franceses, que já começam o jogo mais motivados do que os adversários, prontos para derrubar a Bastilha, qualquer Bastilha. 

É claro que a empolgação nem sempre funciona, e a França já perdeu muito jogo mesmo energizada pelo seu hino. Mas foram tantas as vezes em que, inspirado pela Marselhesa, o time da França já estava ganhando o jogo mesmo antes do apito inicial, que a Fifa deveria ter dado um ultimato aos franceses: ou outro hino, menos eletrizante, ou o silêncio.

É verdade que, com a novidade de cantarem a segunda parte do Ouviram do Ipiranga à capela depois de a banda tocar a primeira parte e parar, a torcida brasileira inventou uma espécie de alonsanfã nacional, quase tão empolgante quanto o francês. Até deu efeito contrário: depois de cantarem a segunda parte do hino só com a torcida antes do jogo com a Croácia, alguns jogadores brasileiros tiveram uns 15 minutos de crise emocional, durante os quais foi difícil enxergar a bola ou, como no caso do Marcelo, saber para que lado estávamos chutando. De qualquer maneira, temos a nossa Marselhesa.

Curiosidade. Não é uma regra fixa, mas acontece muito: quanto menor o país, mais feroz o seu hino. Hinos de antigas colônias costumam ser marciais e sanguinários, em contraste com hinos como, por exemplo, o da Inglaterra, velha e criminosa potência colonialista, que é apenas um plangente pedido para que Deus cuide de sua graciosa rainha. Há hinos pastorais e hinos furiosos e você geralmente pode adivinhar o tamanho e a história do país pelo andamento do seu hino. Os antigos subjugadores fazem hinos curtos e tranquilos, os antigos subjugados fazem hinos longos e ressentidos.

Dei uma olhada no Google para saber como é o hino de Honduras. É enorme.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo