Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Análise: 'Paciência com Miguel Borja'

Para jornalista colombiano, Palmeiras não vai se arrepender se aguardar a adaptação e o rendimento do atacante

O Estado de S. Paulo

16 Maio 2017 | 07h00

Aqui na Colômbia o futebol brasileiro se transformou em uma fonte importante de notícias pela chegada de jogadores representativos de nosso país a clubes como Palmeiras, Flamengo, Santos, Vasco da Gama e Bahia, entre outros.

Porém, a transferência mais importante que se registrou na última temporada teve ligação com a ida do goleador Miguel Borja ao Palmeiras, por cerca de 10,5 milhões de dólares (cerca de R$ 33 milhõres) correspondentes a 70% dos seus direitos econômicos.

Em nosso país nós sabemos que Borja ainda não agrada totalmente e que as críticas podem ser ouvidas e lidas nos meios de comunicação brasileiros. Nesse sentido, eu penso que com o jogador nascido na cidade de Tierralta, no departamento de Córdoba, se deve ter paciência para que ele exploda no exigente futebol brasileiro.

Até agora, o colombiano tem três meses de Palmeiras e passa por um período de adaptação aos seus novos companheiros e ao ritmo de jogo. O bom desse caso é que com a chegada de Cuca como treinador, temos ouvido mensagens positivas e de motivação para o atacante. E Borja já respondeu e mostrou presença na goleada do último domingo sobre o Vasco, com dois gols.

Sobre a sua personalidade, em Brasil já devem saber que Borja é calado, retraído e tímido, de um perfil discreto e que impressiona. Não esperem que ele seja tão carismático como Yerry Mina, porque certamente que hoje o mais o colombiano quer é falar de gols e se destacar com boas atuações, pois o seu único desejo é triunfar em Palmeiras e se projetar ao futebol europeu.

Óscar Ostos é editor do site GolCaracol.com

Mais conteúdo sobre:
Palmeiras Campeonato Brasileiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.