1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Angola perseguirá líderes rebeldes da FLEC no exterior

HENRIQUE ALMEIDA - REUTERS

11 Janeiro 2010 | 15h 24

Angola pretende eliminar os insurgentes responsáveis pela morte de dois membros da delegação togolesa de futebol, e perseguir os rebeldes que vivem no exterior, disse à Reuters um ministro do governo nesta segunda-feira.

A Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC), pequena remanescente do grupo que luta há 30 anos para se tornar independente de Angola, é comandada de Paris por seu presidente N'Zita Tiago. Acredita-se que alguns rebeldes operam desde a República do Congo até o norte de Cabinda.

"Queremos um mandado de prisão internacional para capturar os responsáveis por incentivarem esse ataque", disse em entrevista Antonio Bento Bembe, ex-rebelde que hoje é ministro encarregado dos Assuntos de Cabinda e da FLEC.

Bento Bembe disse que o motorista do ônibus sobreviveu ao ataque e está fora de perigo. Ele disse que Tiago deveria ser detido.

"N'Zita Tiago tem ligações com os responsáveis pelo ataque terrorista e deve ser preso. Estamos falando de um grupo de criminosos que querem espalhar terro2r, medo e insegurança", explicou.

Autoridades angolanas já prenderam duas pessoas que teriam participado do ataque de sexta-feira ao ônibus com a delegação togolesa, que estava a caminho de Cabinda para a Copa Africana das Nações.

Bento Bembe disse que um dos detentos era da República do Congo, e pediu ajuda desse país e da República Democrática do Congo.

"Pedimos a todos os países que nos ajudem a capturar os responsáveis pela atrocidade", disse ele. "Não ficaremos de braços cruzados diante dessa ameaça. É nossa obrigação fazer o que pudermos para trazer essas pessoas à Justiça".

Em comunicado publicado em jornais de Kinshasa, o porta-voz do governo congolês Lambert Mende disse que a República Democrática do Congo -- cujo território separa a Angola de Cabinda -- agora reconhece a FLEC como "organização terrorista" e iria remover de seus membros o status de refugiados.

Bento Bembe disse que Angola garantia a ausência de qualquer ataque futuro durante a Copa Africana das Nações, a maior competição de futebol no continente, e que as companhias de petróleo operantes em Cabinda estavam seguras.

Cabinda produz cerca de metade do petróleo de Angola em poços costeiros operados pela Chevron, Exxon e Total, entre outras. Angola disputa com a Nigéria o posto de maior produtor petroleiro da África.

(Reportagem de Henrique Almeida)

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo