Érico Leonan | saopaulofc.net
Érico Leonan | saopaulofc.net

Antes de jogo entre São Paulo e Palmeiras, Cícero avisa: 'Dinheiro não faz gol'

São-paulino não vê favoritismo de rival em confronto pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

26 Maio 2017 | 11h26

O poder econômico do Palmeiras parece não estar assustando os jogadores do São Paulo. Antes do clássico entre as duas equipes, neste sábado, às 19 horas, no Morumbi, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro, o volante Cícero afirmou que não vê o favoritismo com o rival que investiu muito neste ano.

"O Palmeiras tem o maior investimento do Brasil, mas a bola, quando rola, são 11 contra 11. Dinheiro não faz gol. Quem decide é que está no campo, no 11 contra 11. O Palmeiras gastou muito mais em um elenco, mas não vejo muito diferença entre times grandes no Brasil. Há muito equilíbrio", avisou.

O tema "dinheiro" do rival vem sendo um assunto recorrente no São Paulo desde o final da partida contra o Avaí, na última segunda-feira. Na ocasião, o técnico Rogério Ceni falou sobre o forte investimento adversário, que possibilita que tenha mais de um grande jogador por posição. Para Cícero, até pelo bom elenco, o fato de o Palmeiras ter jogado no meio de semana não fará diferença contra um time que só treinou no período.

"Com o elenco que eles têm, o Cuca pode equilibrar e fazer time alternativo se quiser. Eles jogaram na quarta-feira e nós jogamos na segunda em campo pesado, mas dois dias antes. Isso pode influenciar, mas, com elenco como o deles, essa questão fica de lado. Cabe a nós fazer um bom jogo para vencermos", comentou Cícero.

Para o duelo, o São Paulo não poderá contar com o volante Thiago Mendes, machucado. Cícero garante que pode cumprir o papel do companheiro. "Já venho fazendo a função de segundo volante faz tempo, não é de hoje. No sistema em que jogamos, faço isso. Às vezes, com mais liberdade. Mas a ausência do Thiago, que é um jogador importante, o Rogério define se jogo mais recuado ou adiantado. Estou acostumado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.