Assine o Estadão
assine

Esportes

Copa 2014

Apesar das críticas, Löw vai manter Lahm na armação

Apesar das críticas pela exibição sofrível na vitória dramática na prorrogação por 2 a 1 sobre a Argélia, na última segunda-feira, em Porto Alegre, pelas oitavas de final da Copa do Mundo, o técnico da seleção alemã, Joachim Löw, afirmou nesta quarta-feira que não vai alterar o esquema da equipe para o duelo decisivo contra a França, na sexta, no Maracanã, que vale vaga na semifinal. Em entrevista ao jornal alemão "Die Zeit", repercutida pelo site da Fifa, o treinador menciona também, especificamente, a posição de Phillip Lahm, do Bayern de Munique, que deve continuar como volante de armação, na saída de bola. "Eu já defini em minha cabeça o papel de Philipp Lahm. E vou manter esta decisão até o fim", declarou o alemão.

0

AE,
Agência Estado

02 Julho 2014 | 18h19

Segundo Löw, a ascendência positiva de Lahm sobre os jogadores e o seu nível alto de jogo devem ser levados em consideração para mantê-lo na posição em que o alemão atua em seu clube, mesma função que desempenhou em todos os jogos da Alemanha até aqui, até a contusão de Mustafi, contra a Argélia. Neste momento, o capitão da equipe voltou a jogar na direita, como fez no Mundial de 2010, na África do Sul.

"Philipp Lahm tem sido uma figura de liderança para nós nos últimos anos e tem jogado no mais alto nível por uma década", ressaltou o treinador. "Mas ele só voltará a atuar na defesa se tivermos um problema na direita. Nesta situação eu até poderia dizer ''tudo bem'', agora é com Phillip (Lahm), ele pode atacar firme pelo lado direito", revelou o técnico alemão. "Mas isso seria somente em um cenário de emergência, e precisamos evitar que haja uma emergência."

A Alemanha de Löw sofreu muitas críticas, principalmente da imprensa de seu país, depois da performance diante dos argelinos, quando a partida poderia ter sido decidida a favor dos africanos. O setor mais criticado da equipe foi o sistema defensivo, que atuou com quatro zagueiros (Mustafi, Mertesacker, Boateng e Höwedes) e nenhum especialista na lateral. A lentidão dos zagueiros no meio também foi apontada como uma das vulnerabilidades do setor, principalmente na ausência de Hummels, que não atuou contra os argelinos por estar gripado.

Mais conteúdo sobre: