Vítor Silva/SSPress/Botafogo
Vítor Silva/SSPress/Botafogo

Apesar de vantagem, Marcinho prega cautela contra rival chileno na Sul-Americana

"Acho que não podemos encarar com essa visão de favoritismo, isso atrapalha"

Estadão Conteúdo

08 Maio 2018 | 20h18

O Botafogo entrará em campo nesta quarta-feira com a possibilidade de avançar na Copa Sul-Americana mesmo se perder por 1 a 0 para o Audax Italiano. A vantagem foi conquistada com a vitória por 2 a 1 no jogo de ida, em solo chileno. Mas isso não ilude o lateral-direito Marcinho, que prega cautela e humildade no Engenhão.

+ Confira a tabela do Campeonato Brasileiro

"Acho que não podemos encarar com essa visão de favoritismo, isso atrapalha. Temos que trabalhar com muita humildade contra qualquer adversário. Temos que saber o que estamos fazendo para buscarmos coisas maiores", disse o jogador alvinegro, na véspera da partida decisiva.

Para Marcinho, a vantagem de jogar por um empate em casa ou mesmo pela derrota por 1 a 0 pode virar uma armadilha para o time brasileiro. "É muito mais perigoso se acomodar na vantagem do que precisar vencer, que você se motiva mais. Temos que entrar com muita força e humildade para buscar esse resultado. Não podemos nos acomodar com o que fizemos no Chile."

O lateral acredita que as fase de mata-mata do Campeonato Carioca, cujo título ficou nas mãos do Botafogo, podem ajudar os jogadores na experiência de confrontos decisivos, como este da Sul-Americana.

"Serve de experiência, sim. Toda competição com fase eliminatória ajuda a entender esse tipo de campeonato. Essa vantagem que temos é perigosa. Se chegarem aqui e fizerem o gol pode tornar tudo perigoso. Temos que entrar para fazer o gol e buscar a vitória", declarou.

Na sua avaliação, o maior risco apresentado pelo Audax Italiano é a velocidade dos pontas. "Contam com uma transição entre defesa e ataque muito forte e rápida. Utilizam muitos lançamentos e contam com pontas rápidos. Temos que respeitá-los e entrar em campo muito concentrado para ganharmos", alertou o lateral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.