Paulo Fernandes/Vasco.com.br
Paulo Fernandes/Vasco.com.br

Após 11 meses, Kelvin celebra volta ao Vasco e admite: 'Pensei em parar de jogar'

Atacante rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo, em 7 de junho de 2017

Estadão Conteúdo

03 Maio 2018 | 19h50

Foram 11 meses desde a grave lesão sofrida no joelho esquerdo, em junho do ano passado, até o retorno ao futebol nesta quarta-feira. Por isso, mesmo com a goleada sofrida pelo Vasco diante do Cruzeiro, em São Januário, Kelvin só tinha motivos para comemorar nesta quinta. Afinal, o longo trabalho de recuperação finalmente havia chegado ao fim.

+ Confira a tabela do Campeonato Brasileiro

"Infelizmente, não foi como eu planejava em termos de resultado, mas estou contente com a volta. A minha família e meus amigos estiveram comigo durante todo esse tempo. Foi muito gratificante poder abraçá-los e ver a cara de felicidade de cada um deles. Estou muito motivado", declarou em entrevista coletiva.

Kelvin rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo em outra goleada sofrida pelo Vasco, para o Corinthians, por 5 a 2, em 7 de junho de 2017. A grave lesão o obrigou a passar por cirurgia, e o processo de reabilitação durou quase um ano. A dificuldade para poder voltar a jogar chegou a fazer o jogador pensar em abandonar o esporte.

"Estou muito feliz por essa vitória pessoal de ter conseguido voltar a jogar futebol. Foi um período muito difícil. Cheguei até a pensar em parar durante alguns momentos. É preciso ter o psicológico muito forte, pois foi uma lesão muito grave e que não envolve só o joelho. Ela envolve também a cabeça do jogador", considerou.

Por mais satisfeito que esteja com a volta, Kelvin sabe que ainda terá novos desafios pela frente, como, por exemplo, recuperar o melhor ritmo. Ele mesmo admitiu estar abaixo de seus companheiros na questão física e, por isso, concordou que não tem condições de ser titular no momento.

"Estou voltando aos poucos e o professor Zé Ricardo sabe disso", comentou. "Pude ir bem e não senti nada, mas ainda estou abaixo fisicamente. Não estou com o mesmo ritmo dos companheiros, mas deixo minha utilização nas mãos da comissão técnica. Estou procurando ficar preparado para poder corresponder quando surgir uma oportunidade."

Passada a decepção pela queda precoce na Libertadores, o meia-atacante cobrou uma rápida recuperação do Vasco, já diante do América-MG, sábado, em casa, pelo Brasileirão. "Dentro de casa, temos sempre que fazer um bom jogo. Não só agora, não apenas no Brasileiro, mas daqui para frente, em todos os torneios. Já viramos a chave e estamos focados no jogo de sábado."

Mais conteúdo sobre:
futebol Vasco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.