1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Após beijo em final, croata Rakitic quer surpreender na Copa

Fernando Faro - O Estado de S. Paulo

08 Junho 2014 | 08h 30

Meia pode se transferir para o Barcelona por mais de R$ 60 milhões 

Ivan Rakitic é um dos jogadores mais badalados da Europa e poderá se transferir para o Barcelona por aproximadamente R$ 61 milhões na próxima temporada após levar o Sevilla à conquista da Liga Europa. Na seleção da Croácia, é um dos principais jogadores ao lado de Modric e surge como uma das apostas para surpreender o Brasil na estreia do Mundial, no próximo dia 12, no Itaquerão, em São Paulo. 

Apesar de tanto prestígio no Velho Continente, no Brasil o meia é mais conhecido por um episódio bastante curioso: durante a comemoração do título europeu na final contra o Benfica, ganhou um beijo na boca de Carriço e rapidamente as imagens se espalharam na internet. 

Reuters
Ivan Rakitic beija Daniel Carrico após conquista da Liga Europa sobre o Benfica

"Ah, você quer saber do grande beijo?", respondeu com bom humor quando perguntado por uma repórter sobre o episódio. Ao lembrar da cena inusitada, Rakitic se divertiu com a situação, mas agora espera mostrar um pouco do talento que o transformou num dos jogadores mais disputados no mercado europeu. 

"É uma impressão que não posso mudar, mas tenho minha mulher e tudo mais (risos). (A final) foi tão emocionante porque jogamos 120 minutos muito duros. Qualquer jogador pode me entender, jogar uma final é muito difícil física e mentalmente. Nesses momentos você não sabe o que está fazendo, mas para todo mundo está claro, sou casado (risos)", disse o jogador, cuja esposa é a espanhola Raquel Mauri, com quem tem uma filha. 

Ciente das dificuldades que os croatas devem enfrentar contra o Brasil, Rakitic tenta repetir na seleção o futebol apresentado no Sevilla. Para ele, é importante que o time esqueça um pouco a responsabilidade da partida diante dos donos da casa para transformar o momento em uma experiência agradável. 

"Precisamos relaxar e nos divertir. Temos que ser um time forte e jogar nosso jogo, precisamos ser fortes em cada parte do jogo e mostrar no campo, trabalhar forte e trabalhar", afirmou o meia, que entrou apenas no segundo tempo da vitória por 1 a 0 sobre a Austrália, na última sexta-feira, em Salvador, justamente no lugar de Modric. A dupla, porém, deve atuar junta contra o Brasil.

Copa 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo