Lucas Uebel/Grêmio FBPA
Lucas Uebel/Grêmio FBPA

Após deixar o Grêmio, Barrios acerta com o Argentinos Juniors

Sondado por Santos e Botafogo, experiente atacante volta ao clube que o revelou para o futebol em 2002

Estadão Conteúdo

11 Janeiro 2018 | 17h22

Figura importante na conquista do Grêmio na última Copa Libertadores, o centroavante argentino naturalizado paraguaio Lucas Barrios está de volta para o Argentinos Juniors, clube pelo qual foi revelado em 2002 e não disputará a competição em 2018. Ele foi anunciado pelo clube argentino nesta quinta-feira.

+ Barrios agradece torcida e se despede: 'Levarei o Grêmio onde for'

Segundo publicou em seu site oficial, o Argentinos Juniors nutria o desejo de contar com Barrios já há algum tempo. "Há dois anos que estamos sonhando e conversando para concretizar sua volta. Hoje, o sonho se tornou realidade. Bem-vindo à sua casa, Lucas!", escreveu o clube na publicação.

Com salários altos, Barrios não renovou seu contrato com o Grêmio ao fim da temporada e logo despertou interesse de alguns clubes. Antes de acertar com o Argentinos Juniors, o centroavante foi sondado por Santos e Botafogo no Brasil. Ainda recebeu oferta para voltar ao Colo-Colo, do Chile, e também do Junior Barranquilla, da Colômbia. Este último, inclusive, segundo a imprensa colombiana, ofereceu ao jogador o maior salário da história do futebol colombiano.

No Brasil, se foi importante para o Grêmio na última temporada, quando marcou 18 gols em 45 jogos, o paraguaio não é lembrado com tanto carinho pelos torcedores do Palmeiras. No clube paulista, se lesionou muito e alternou bons e maus momentos. No total, em quase duas temporadas, foram 13 gols em 44 jogos.

Antes de atuar no futebol brasileiro, Barrios viveu seu auge nas temporadas de 2008 e 2009 com a camisa do Colo-Colo, clube pelo qual marcou quase um gol por jogo. Foram 53 em 58 partidas, o que culminou com sua venda ao Borussia Dortmund, da Alemanha, onde o jogador de 32 anos também teve boa fase ao anotar 49 gols em 102 jogos. Barrios ainda passou pelo futebol da China, Rússia e França, antes de chegar no Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.