Após derrota, Ponte Preta cancela treino aberto, corta telão e devolve ingressos

Diretoria não se mostra otimista com desvantagem de 3 a 0 na decisão

Estadao Conteudo

05 Maio 2017 | 20h38

Na Ponte Preta, às vésperas da decisão do título do Campeonato Paulista contra o Corinthians, o discurso é diferente da prática. Apesar da direção do clube insistir, durante toda a semana, que era "possível o impossível", ou seja, vencer o Corinthians por 4 a 0 no estádio Itaquerão, em São Paulo, e conquistar a inédita taça, as medidas e reações vistas em Campinas (SP) não têm a mesma confiança.

O tradicional treinamento recreativo com portões abertos foi cancelado. Ele aconteceria neste sábado pela manhã, no gramado do estádio Moisés Lucarelli, e com a presença da torcida. Já é um tradicional encontro de troca de energias entre o time e a torcida. Foi descartado.

A ideia de evitar o último encontro com os torcedores foi reforçada pela forte chuva que caiu em Campinas nesta sexta-feira. Não houve o treinamento apronto e alguns posicionamentos podem ser repassados neste sábado, mas no Centro de Treinamento e com portões fechados.

TELÃO E INGRESSOS

Alegando falta de segurança, a diretoria também não vai instalar o telão para que a torcida acompanhe o jogo na frente do Moisés Lucarelli. Isso aconteceu tanto nas quartas de final, diante do Santos, como nas semifinais, contra o Palmeiras.

O que já era esperado é a queda da procura por ingressos na decisão. Até o início da noite desta sexta-feira tinham sido vendidos 1.300 bilhetes, de um total de 2.200 ao preço de R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia). Oito ônibus - perto de 320 torcedores - foram cedidos pelo programa de sócio torcedor - o TC10+.

Nem a administração esperava pela venda total, tanto que desistiu de abrir as bilheterias neste sábado. O restante (900 bilhetes) foram devolvidos ao Corinthians, que já colocou à venda no programa Fiel Torcedor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.