1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Arouca defende médicos do Palmeiras: 'Eles são os melhores'

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 23h 17

Volante diz que profissionais não têm culpa de tantos lesionados

As lesões de Rodrigo, Cleiton Xavier e Edu Dracena fizeram com que os médicos do Palmeiras recebessem muitas críticas já que no ano passado também muitos atletas tiveram problemas musculares ao longo da temporada. O volante Arouca, um dos que se machucaram em 2015, saiu em defesa dos médicos do clube e disse que as contusões ocorreram por fatalidades.

"As críticas são injustas. Eu fui exemplo ano passado. Tive duas lesões graves e eu deveria voltar em dois ou três meses e acabei voltando em um mês. Aqui tem os melhores profissionais, as melhores tecnologias. Eles têm feito de tudo para evitar, mas não tem como cravar que não haverá lesões. Futebol é esporte de contato", disse o volante.

Volante palmeirense não admite que lesões sejam culpa dos profissionais do clube
Volante palmeirense não admite que lesões sejam culpa dos profissionais do clube

No ano passado, Arouca sofreu três lesões. A primeira foi na coxa esquerda e ocorreu durante a decisão do Campeonato Paulista, contra o Santos, dia 26 de abril. Ele voltou ao time em 31 de maio, contra o Corinthians.

No dia 19 de agosto, novamente uma lesão na coxa esquerda o tirou dos gramados. A contusão ocorreu na vitória por 2 a 1 sobre o Cruzeiro e ele retornou aos gramados em 6 de setembro, no empate em 3 a 3 com o Corinthians, mas voltou a sentir dores e desfalcou o time por mais dois jogos.

A última lesão foi no dia 6 de outubro, na derrota por 5 a 1 para a Chapecoense e a expectativa é que ele retornasse aos gramados só neste ano, mas o jogador conseguiu voltar antes e atuou já em 18 de novembro, no empate em 3 a 3 com o Atlético-PR.

O jogador garante que o fato de ver os companheiros se machucando não faz com que tenha algum receio de forçar uma jogada ou manter a dedicação nos treinamentos. "Eu não tiro o pé. Não tem como dosar quando você entra em campo. A gente tenta fazer de tudo e tem os profissionais que fazem previsão, mas quando tem que acontecer, acontece. Ninguém tem como evitar isso, mas tirar o pé, jamais", assegurou.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX