Ricardo Duarte/ Internacional
Ricardo Duarte/ Internacional

Após tropeço e protestos, Internacional demite Guto Ferreira

Odair Hellmann, auxiliar fixo do clube, ficará no comando da equipe até o final do ano

Estadão Conteúdo

11 Novembro 2017 | 20h10

O adiamento do acesso do Internacional à elite nacional com o empate contra o Vila Nova-GO, por 1 a 1, neste sábado, no Beira-Rio, trouxe desdobramentos muito mais profundos para o time colorado na reta final da Série B do Campeonato Brasileiro. Isto porque a diretoria da equipe decidiu demitir Guto Ferreira do cargo de treinador, apesar de o time já ter praticamente garantido sua volta à Série A em 2018.

+ Vila Nova busca empate no Beira-Rio e adia acesso do Inter à elite nacional

+ Leia mais notícias sobre o Internacional

A diretoria do Inter oficializou que o auxiliar fixo do clube, Odair Hellmann, que comandou o time em algumas oportunidades nesta temporada, será efetivado até o final do ano. Junto com Guto Ferreira também saem o preparador físico Juninho e os auxiliares técnicos André Luís e Alexandre Faganello.

A notícia foi bastante comemorada do lado de fora do Beira-Rio. Um grupo de torcedores protestava nas imediações do estádio, chegando a entrar em confronto com a polícia, quando a confirmação de demissão de Guto foi comunicada pelo vice-presidente de futebol do clube gaúcho, Roberto Melo.

"Foi a direção que demitiu Guto, não a torcida. Se fosse a torcida, isso teria ocorrido ainda antes do que ocorreu, dada pressão que ele recebia. Precisamos melhorar para os últimos jogos e notamos que a tendência não era esta. Cada vez parece que estamos jogando menos. Os jogadores se cobram muito, nós também cobramos da comissão, dos jogadores, temos uma relação de cobrança e responsabilidades, cada um assumindo a sua", afirmou o dirigente, em entrevista coletiva.

Guto Ferreira assumiu o Inter em maio no lugar de Antônio Carlos Zago. Em 33 jogos, ele conquistou 17 vitórias, nove empates e sete derrotas, terminando com um aproveitamento de 58,5% dos pontos disputados. Nas últimas quatro partidas, nas quais esteve bem próximo de confirmar o acesso, o time gaúcho teve uma queda de rendimento, perdendo um jogo e empatando outros três.

A expectativa era para a renovação de contrato de Guto Ferreira, tanto é que uma cláusula automática renovava o contrato do treinador por mais um ano assim que o acesso fosse confirmado, aumentando assim a multa rescisória. Com o não acesso e a demissão, o Inter terá de pagar um valor proporcional ao salário do técnico.

Com 64 pontos, em segundo lugar, o Inter precisa de apenas um empate contra o Oeste, na próxima terça-feira, na Arena Barueri, para voltar à elite do futebol brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.