Paulo Fernandes/Vasco
Paulo Fernandes/Vasco

Apresentado, Wellington agradece Vasco por chance e promete 'dar a vida em campo'

Apesar do longo período de inatividade, o jogador garante estar pronto para atuar

O Estado de S.Paulo

30 Maio 2017 | 15h34

Em busca de reerguer sua carreira, o volante Wellington chegou nesta terça-feira ao Vasco. Apresentado como novo reforço, ele espera reconquistar espaço no clube cruzmaltino após um longo período em baixa, tanto por lesão quanto por um caso de doping. Para isso, o jogador de 26 anos prometeu "colocar a vida em campo" a cada partida com a camisa alvinegra.

"É um prazer vestir essa camisa. Joguei em outros gigantes e hoje chego para mais um gigante do futebol brasileiro. Estou muito feliz com a oportunidade. É um time muito grande, é um clube de tradição. Merece todo o respeito do mundo. Sei que tenho possibilidade de ajudar o Vasco. É um clube que está me dando essa oportunidade e a minha forma de agradecer é colocar minha vida em campo e dar meu melhor", declarou.

Wellington surgiu para o futebol como uma boa promessa do São Paulo, com passagens pelas seleções de base. Mas graves lesões nos joelhos tiraram seu espaço no clube e deram início à derrocada recente de sua carreira. Emprestado ao Inter, foi protagonista de um caso de doping em 2015 e voltou a perder espaço. E apesar do longo período de inatividade, o jogador garantiu estar pronto para atuar pelo Vasco.

"Eu treinava no São Paulo com GPS e isso mostrava a minha condição física. Todos os dias eu acabava vendo como estava a minha forma e sempre estive em condição de jogo. Sempre treinei igual jogo. Estou preparado. Claro que vai faltar ritmo de jogo, mas só jogando que você pega. Vou me dedicar ao máximo para ajudar o Vasco", afirmou.

A princípio, Wellington chega para compor elenco e para ser uma sombra para o volante Jean. Trata-se de mais uma contratação do Vasco após o início do Brasileirão, mas o vice-presidente de futebol Eurico Brandão Miranda, o Euriquinho, admitiu que o clube ainda pode buscar novos nomes no mercado, principalmente para a zaga, setor já reforçado recentemente com as chegadas de Breno e Paulão.

"No futebol, a gente nunca para. Sempre vão surgindo novas oportunidades, novos negócios, saída de um atleta ou outro. De certa forma, a gente se empolga junto com o torcedor. Lógico que temos que ter um cuidado maior, mas a maneira como o torcedor está abraçando o time e como o time está respondendo, nos obriga a trabalhar um pouco mais. Temos que ver a necessidade, mas zagueiro é uma situação que temos que pensar com carinho", avaliou.

Mais conteúdo sobre:
Futebol futebol Vasco Wellington

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.