Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Esportes

Esportes » Aranha registra boletim por injúria qualificada em Porto Alegre

Futebol

Esportes

futebol

Aranha registra boletim por injúria qualificada em Porto Alegre

Goleiro do Santos foi até delegacia para prestar depoimento sobre caso de racismo. Grêmio identifica dez torcedores

0

Lucas Rivas,
O Estado de S. Paulo

29 Agosto 2014 | 16h45

O goleiro Aranha, do Santos, registrou boletim de ocorrência no início da tarde desta sexta-feira por ofensas racistas durante toda a partida contra o Grêmio, realizada quinta-feira, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre. A queixa foi feita na 4ª Delegacia de Polícia na Zona Norte de Porto Alegre. O comissário da Polícia Civil, Lindomar Souza, adiantou que as imagens das câmeras de segurança da Arena e de emissoras de televisão que transmitiram a partida já foram solicitadas para ajudar na identificação dos torcedores envolvidos.

O Estadão teve acesso ao boletim de ocorrência, que descreve que Aranha foi chamado de 'macaco' e que parte da torcida fazia gestos característicos do animal. O Grêmio informou também nesta sexta ter identificado dez torcedores envolvidos nos atos de racismo. Como dois deles eram sócios do clube, a direção gremista confirmou a suspensão deles do quadro social. Eles serão expulsos do clube.

O comissário de polícia relatou que o goleiro santista estava mais tranquilo durante depoimento e pediu que os envolvidos fossem localizados com urgência. "Ele relatou os fatos e representou criminalmente contra essas pessoas que aparecem nas imagens divulgadas na imprensa. Aranha confirmou os fatos, que foi ofendido e nos deu orientação para identificar essas pessoas que estão sendo investigadas."

Em caso de condenação por injúria qualificada por racismo, os torcedores gremistas podem pegar de 1 a 3 anos de reclusão, assegurou o comissário. A torcedora Patrícia Moreira, que foi flagrada chamando o goleiro de 'macaco', já foi afastada do trabalho e também será intimada para prestar depoimento nos próximos dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.