1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Arena Corinthians passa no primeiro e único teste para a Copa

Almir Leite e Vítor Marques - O Estado de S. Paulo

18 Maio 2014 | 21h 47

Novo estádio recebeu pouco mais de 36 mil torcedores e teve apenas problemas pontuais

SÃO PAULO - A Arena Corinthians está aprovada. Neste domingo, o novo estádio recebeu pouco mais de 36 mil torcedores e teve apenas problemas pontuais – como a inesperada chuva, que incomodou quem estava nos setores vips do estádio. Quem seguiu a orientação do Comitê Organizador Local (COL) para a Copa do Mundo e chegou e saiu de Itaquera utilizando o transporte público não encontrou dificuldades – a maioria do público optou por essa forma de transporte. Somente no metrô é que alguns vagões saíram carregados.

Já quem preferiu ir de carro, ônibus e vans teve de ter paciência para chegar ao bairro da zona leste, já que a CET fechou as principais vias do entorno. A vice-prefeita Nádia Campeão garantiu ao Estado que a sinalização e a orientação aos torcedores serão melhoradas para os seis jogos da Copa que o novo estádio vai receber.

No entorno, orientadores do COL e do Corinthians estavam posicionados em diversos pontos e alguns ambulantes aproveitavam para vender cervejas e refrigerantes. Cambistas também agiram com certa liberdade e foram flagrados vendendo ingressos por até R$ 400. A renda de bilheteria foi de R$ 3.029.801,70, a maior da história do Corinthians. Parte da torcida protestou contra os altos preços dos ingressos. Neste domingo, oito lanchonetes foram abertas, com poucas filas, principalmente no intervalo. Não houve aglomeração nos banheiros e os sistemas de tecnologia funcionaram sem grandes atropelos. Os sinais de telefonia celular e de internet caíam, mas voltavam rapidamente.

O primeiro e único teste antes da abertura da Copa do Mundo, em 12 de junho com Brasil e Croácia, foi aprovado. O funcionamento dos serviços foi satisfatório, apesar do congestionamento nas principais vias de acesso, assim como a infraestrutura do ainda inacabado estádio. Houve problemas, como o fato de a chuva ter atingido quem estava no setor vip, pois a cobertura não foi finalizada.

De maneira geral, porém, o teste realizado no jogo entre Corinthians e Figueirense foi positivo. Vale a ressalva de que o público ontem foi de 36 mil pessoas e na Copa será de 68 mil. O acesso e o escoamento dos torcedores, por trem e metrô, foram tranquilos e rápido. A linha expressa da CPTM desde a Estação da Luz obedeceu ao tempo e ao intervalo programados e não houve superlotação. Após o jogo, os torcedores levaram cerca de 20 minutos para chegar às estações, mas embarcaram rapidamente.

Os torcedores aderiram de forma maciça ao transporte público. Levantamento preliminar indica que pelo menos 10 mil pessoas foram de trem. O trânsito, no entanto, ficou complicado a partir das 13h, por causa dos bloqueios feitos em várias vias de acesso. Na Radial Leste, por exemplo, a restrição começou na altura da estação Artur Alvim do metrô. O congestionamento foi inevitável, até porque os funcionários da CET estavam mal preparados.

Ao Estado, que estava com carro credenciado, dois agentes da CET admitiram não saber qual caminho seguir. E, nas ruas internas do bairro, não havia sinalização indicativa. "Constatamos que é preciso melhorar a informação e a orientação nessa área e isso será feito'', garantiu a vice-prefeita de São Paulo, Nádia Campeão.

O acesso dos torcedores deu-se sem atropelos. Havia orientadores do COL e do Corinthians de 50 a 50 metros. Junto com eles, alguns ambulantes - em número menor do que em jogos no Pacaembu - vendiam refrigerantes e cerveja. Os cambistas, também poucos, ficaram mais afastados, mas tentavam passar ingressos por até R$ 400. Não foram registradas prisões.

Dentro, tudo bem. A acessibilidade dos deficientes funcionou dentro do estádio, mas houve dificuldade no transporte deles do metrô até a arena. A prefeitura promete melhorar o serviço. Nas lanchonetes, apenas oito abriram, verificou-se filas em alguns momentos. Nos banheiros, não foram registradas grandes aglomerações.

A tecnologia também funcionou sem grandes atropelos. Em alguns momentos, o sinal de celular e internet caiu, mas sempre voltou rapidamente. E segundo o responsável pela segurança, não foram registrados incidentes graves.