1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Argentina tem que tomar cuidado com a Holanda, diz Mascherano

REUTERS

08 Julho 2014 | 12h 52

A seleção argentina enfrenta um desafio muito complicado nas semifinais da Copa do Mundo, já que a Holanda faz quase tudo bem, disse o meio-campista Javier Mascherano, que ressaltou que sua equipe não pode abrir espaço ao adversário para não sair prejudicada.

Argentina e Holanda medem forças na quarta-feira, em São Paulo, em um encontro no qual os sul-americanos tentarão chegar à final pela primeira vez em 24 anos e os europeus a buscam pela segunda vez seguida.

"A partida será dura, diante de um rival que tem muitíssimas coisas boas ou que faz muitíssimas coisas bem. A Holanda tem tudo: experiência e hierarquia. Além disso, disputou a final do Mundial passado contra a Espanha. Ainda que tenha perdido (de 1 x 0), é um tremendo adversário", declarou Mascherano em uma entrevista à agência de notícias estatal da argentina, Télam.

"São muitas as coisas que nos preocupam na Holanda. Talvez tenham o melhor contra-ataque da Copa (...) Mas também é uma equipe que, se você a deixa jogar, se lhe dá espaço, pode fazer muito estrago. Além disso, usam bem a bola parada, têm um bom lançador e jogadores altos. Têm muitas variáveis. Depende de nós minimizar tudo isso", analisou.

A zaga argentina deverá tomar cuidado com o veloz meio-campista Arjen Robben, um dos destaques do torneio, e com o atacante Robin van Persie, que mostrou toda sua periculosidade mesmo sem marcar gols há três jogos.

A Argentina chegou às semifinais depois de vencer as cinco partidas que disputou, embora só tenha brilhado durante alguns momentos isolados. Todas as suas vitórias foram por um gol de diferença, o que mostra que, apesar de ter um desempenho perfeito, não mostrou todo seu potencial.

Em seu caminho estará a Holanda, que venceu quatro jogos e empatou o restante, e cujo desempenho foi brilhante no início, mas decaiu com o decorrer das partidas.

"Temos que aproveitar nosso momento para avançar, e é agora. O jogo mesquinho de nossos rivais nos fez perder brilho, mas sempre mantivemos a ideia e a intenção", sublinhou Mascherano, que busca seu primeiro título com a seleção oficial da Argentina depois de conquistar a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 2004 e 2008.

Para conquistar a Copa, a Argentina tem Lionel Messi, una arma que não é secreta, mas é letal.

"É o melhor jogador da equipe, do mundo, é o porta-estandarte, aquele que nos faz sonhar, que nos faz acreditar, que pode tornar realidade nosso sonho de ser campeões, porque é de outro planeta", acrescentou.

"Por isso tratamos de apoiá-lo para que continue fazendo o que fez até agora. É o exemplo a seguir para todos", afirmou.

(Por Javier Leira)

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo