Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Artilheiro do Brasil, Gabriel Jesus vibra com noite inesquecível em sua 'casa'

Atacante faz dois gols na vitória por 3 a 0 sobre o Chile no Allianz Parque, estádio do Palmeiras

Almir Leite, Ciro Campos e Leandro Silveira, O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2017 | 23h30

Gabriel Jesus teve uma volta inesquecível ao estádio Allianz Parque, em São Paulo, nesta terça-feira. Jogou um bom futebol e foi recompensado com dois gols, os dois últimos nos 3 a 0 da seleção brasileira sobre o Chile. Teve o nome gritado diversas vezes, a começar quando entrou em campo para fazer aquecimento e acabou como artilheiro do Brasil nas Eliminatórias, com sete gols.

+ Paulinho celebra volta por cima como vice-artilheiro da seleção

A volta à casa em grande estilo e artilharia fez o atacante abrir ainda mais o costumeiro sorriso. Mas ele frisou que não fez nada sozinho. "Ser o artilheiro representa para mim muita felicidade. Não falou individualmente, mas pelo Brasil, pela campanha que fez e por tudo o que passou (nas Eliminatórias)", disse o ex-palmeirense. "Conseguimos terminar em primeiro lugar com vitória diante de uma equipe que se mostrou muito forte".

Gabriel Jesus foi, ao lado de Neymar, o responsável pelas principais jogadas ofensivas da seleção na morna etapa inicial. Na etapa final, principalmente depois de Paulinho marcar o primeiro gol, teve mais espaço e não desperdiçou. Seus dois gols foram marcados sem goleiro.

No primeiro, recebeu a bola de Neymar na saída de Bravo, seu companheiro no Manchester City inglês, e só teve o trabalho de tocar para a rede. Na comemoração, fez a menção de estar telefonando para a sua mãe, dona Vera, como faz normalmente, e foi "imitado" no gesto por Neymar, a quem correu para abraçar.

No segundo gol, já nos acréscimos e quando o Chile buscava desesperadamente o gol que poderia representar vaga na Copa, foi lançado por Willian, penetrou sem marcação - Bravo tinha ido à área brasileira tentar o gol - e, como diz a letra de Jorge Benjor, só não entrou com bola e tudo porque teve humildade. "Como eu disse antes da partida, a gente entrou focado em vencer o jogo", disse Gabriel Jesus.

Tão festejado quanto ele ontem na arena do Palmeiras, e talvez na mesma proporção de Neymar, foi o técnico Tite. Nervoso em boa parte do jogo, exigindo concentração e posicionamento correto dos jogadores, e demonstrando irritação a cada "erro bobo", parecia estar disputando a vaga na Copa. Vibrou bastante no gol de Paulinho e teve o nome gritado por todo o estádio. Por palmeirenses - ele treinou o time no já distante 2006 sem muito brilho -, corintianos, são-paulinos, santistas...

Tite manteve com a vitória de ontem sus invencibilidade nas Eliminatórias, em 12 partidas. E com a vitória sobre o Chile, para quem havia perdido na primeira rodada, o Brasil, pela primeira vez na história, venceu todos os adversários no torneio classificatório a uma Copa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.