NILTON FUKUDA / ESTADÃO
NILTON FUKUDA / ESTADÃO

Às vésperas da Copa, Gabriel Jesus vira queridinho do mercado publicitário

Em ação da sua patrocinadora de material esportivo, jogador tem grafite personalizado pintado no bairro onde nasceu, em São Paulo

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

18 Maio 2018 | 07h00

O rosto de Gabriel Jesus está em todos os lugares. Até mesmo pintado num painel que une muros de diferentes casas do Jardim Peri, bairro onde nasceu na zona norte de São Paulo. O grafite de 34 metros não se encontra lá à toa. Trata-se de ação da patrocinadora de material esportivo do atacante do Manchester City e da seleção brasileira. Às vésperas da Copa do Mundo da Rússia, ele é uma das grandes apostas do mercado publicitário.

+ Gabriel Jesus, o filho mais ilustre do Jardim Peri

+ Confira tudo sobre a seleção brasileira

+ PSG exibe Neymar em treino com bola pela 1ª vez após operação

"Acho que é natural. Você tem três escolhas óbvias nessa seleção: Neymar, Tite e ele. São os mais carismáticos, os três protagonistas desse time. Desde o Ronaldo, a gente não tem um camisa 9 protagonista na seleção. E o Gabriel Jesus tem esse potencial. Acaba sendo o cara a quem o mercado olha com carinho. Além disso, ele conta com uma agência trabalhando a imagem dele", explica Erich Beting, consultor de marketing esportivo.

O especialista cita a parceria que o artilheiro firmou com a Octagon Brasil em junho do ano passado. A agência cuida da gestão de imagem e mídias sociais do jogador, além da captação e negociação de patrocínios e prospecção de novas oportunidades comerciais.

Desde que assinou contrato, ele virou garoto-propaganda de uma marca de refrigerantes, outra de bebidas isotônicas e de uma empresa de telefonia celular – que aproveitou o gesto tradicional do "alô, mãe!" de Jesus na celebração dos gols para atrelá-lo à marca.

"Ele possui vários atributos: não se envolve em polêmica, tem performance, está em um time badalado. É uma escolha boa e, muito provavelmente, mais barata que o Neymar. E dá um retorno legal. O Neymar está tão superexposto que é difícil conseguir retorno com ele", diz Beting, referindo-se aos mais de 15 patrocinadores do principal atleta do futebol brasileiro.

Aos olhos do mercado, não significa que um seja melhor do que o outro. Porém, quanto mais nomes ligados ao atleta, mais isso confunde a cabeça do público. Para quem está investindo, muitas outras variáveis são levadas em conta, conforme explica Mauro Corrêa, sócio-diretor da Csm Golden Goal, empresa de gestão esportiva.

"Observa-se o que o jogador fala, pensa, como se relaciona, o que come, o que já expressou. Às vezes, é o lado irreverente que conta. Na última Copa, se você se lembrar, o David Luiz era um ativo muito importante. Ele tinha engajamento com os jovens, pelo jeito engraçado de se vestir, de se expressar. Já o Neymar comunica a alta performance, a excelência. Depende do que a marca pretende.”

Exclusividade. Para se ter uma ideia do moral de Gabriel Jesus, ele será o único dos sete atletas da seleção que vestem Adidas – os outros 16 convocados por Tite na última segunda-feira usam Nike – a contar com ação personalizada de grafitagem como a realizada no Jardim Peri, segundo informou ao Estado a empresa alemã. Além disso, durante o Mundial, o camisa 9 do Brasil estará estampado nas propagandas da nova chuteira da empresa, a X18, pelas lojas ao redor do planeta.

"É a história de sair das ruas em 2014 e chegar ao estrelato em 2018. Em 2014, tem a foto emblemática dele pintando as ruas e, agora, são as ruas que pintam ele", falou o gerente de relações públicas da compania, Bruno Almeida, referindo-se à imagem clássica que registra o atacante descalço colorindo as ruas do Jardim Peri. À época, com 17 anos, ele ainda era uma promessa do Palmeiras.

Ao todo, mais de 20 pessoas, incluindo moradores do bairro, ajudaram a ilustrar os muros das casas localizadas ao lado de uma quadra de futebol society. A obra já está em processso de finalização.

"O maior problema é o difícil acesso às paredes, por se tratarem de fundos de casa, alguns terrenos que ainda não foram construídos", explica o artista Snek, membro do Graffiti Art Box, um grupo independente de grafiteiros que colaborou com os trabalhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.