1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Copa 2014

Atacante do Chile tatua bola na trave que chutou contra o Brasil

O Estado de S. Paulo

01 Julho 2014 | 08h 54

Mauricio Pinilla reproduz lance que poderia ter classificado chilenos

Um chute no travessão aos 30 minutos do segundo tempo da prorrogação na partida entre Brasil e Chile, pelas oitavas de final da Copa do Mundo poderia ter mudado a história do Mundial. O chileno Mauricio Pinilla, de 30 anos, autor da finalização, resolveu eternizar o momento que protagonizou com uma tatuagem do lance que assustou a torcida brasileira.

O desenho, grafado em suas costas, traz o momento do chute com a bola em destaque batendo no travessão do goleiro Julio Cesar. Abaixo da ilustração, a frase, "one centimeter from glory" (um centímetro da glória). Após postar uma foto com seu novo desenho, o atacante do Cagliari, da Itália, recebeu apoio dos fãs, que logo apelidaram a tatuagem de "marca de guerra".

O jogador ainda tatuou a lateral do rosto com as frases, "blessed", (em inglês, abençoado) no lado direito de sua face e "for Life", (em inglês, para a vida) ao lado esquerdo.

Mauricio Pinilla já defendeu as cores de diversos clubes, entre eles, o Vasco da Gama, em 2008. O jogador começou a carreira nas categorias de base da Universidad de Chile e teve passagens por Inter de Milão, Chievo, Celta de Vigo, Sporting, Racing Santander, Heart of Midlothian, Apollon Limassol, Grosseto e Palermo, antes de selar sua ida ao Cagliari, da Itália, clube que defende atualmente.

RODRIGO PAIVA

Além da bola no travessão, o atacante se envolveu em uma confusão com o diretor de comunicações da Confederação Brasileira de Futebol, Rodrigo Paiva. O assessor da seleção brasileira terá que cumprir uma partida de suspensão por ser acusado de dar um soco no atacante no intervalo da partida entre Brasil e Chile, no último sábado.

Por meio de seu Twitter oficial, o atleta comentou a punição aplicada ao uruguaio Luis Suárez por morder o zagueiro italiano Giorgio Chiellini, nove partidas sem poder atuar pela seleção uruguaia, banimento por quatro meses de qualquer atividade ligada ao futebol e multa de 100 mil francos suíços, aproximadamente R$ 247 mil.

 

Copa 2014