Bruno Cantini / Atlético-MG
Bruno Cantini / Atlético-MG

Atlético-MG diz que demissão de Oswaldo foi 'decisão exclusivamente técnica'

Diretor Alexandre Gallo afirma que demissão não tem relação com o desentendimento com o jornalista na quarta-feira

Estadão Conteúdo

09 Fevereiro 2018 | 13h42

A diretoria do Atlético Mineiro assegurou nesta sexta-feira que a decisão de demitir Oswaldo de Oliveira não tem relação com seu desentendimento com o jornalista Léo Gomide, ocorrido na última quarta-feira, após o duelo com de Atlético Acreano, pela Copa do Brasil. Depois do incidente, o clube proibiu o repórter a trabalhar na Cidade do Galo, o CT do clube, mas os dirigentes apontaram que estavam insatisfeitos com o rendimento do time e, por isso, optaram pela mudança no comando da equipe.

+ Após discussão, Oswaldo de Oliveira é demitido do Atlético Mineiro

"Foi uma decisão exclusivamente técnica", afirmou Alexandre Gallo, diretor de futebol do Atlético-MG, apontando que não conseguia enxergar evolução no desempenho da equipe nos seus últimos compromissos. "Tínhamos que visualizar uma melhora técnica jogo a jogo", acrescentou o dirigente.

Oswaldo assumiu o comando do Atlético-MG no fim de setembro e foi mantido para a temporada 2018 mesmo após o time não conseguir obter uma vaga na Copa Libertadores, pois terminou o Campeonato Brasileiro em uma modesta nona posição. Ainda assim, ele foi mantido no clube, mesmo com a eleição de um novo presidente - Sergio Sette Câmara.

Agora, porém, Oswaldo é demitido após apenas seis jogos disputados em 2018. Gallo garantiu, no entanto, que a diretoria não errou no seu planejamento para a temporada. "Tenho histórico no futebol, já vivi situações assim. A mudança é saudável e necessária. Você deve entender, discutir, ouvir. A gente tem a consciência e sentiu que esse era o momento certo (para a demissão)", disse.

Com desempenho irregular em 2018, o Atlético-MG está em terceiro lugar no Campeonato Mineiro com oito pontos em cinco jogos, além de ter avançado à segunda fase da Copa do Brasil após o empate por 1 a 1 com o Atlético Acreano, na última quarta-feira. Gallo defendeu que a mudança era necessária nesse momento para evitar futuras decepções.

"Seria muito fácil esperar para mexer, mas a questão é de avaliação. Depende do desempenho, e ele até então não agradou. Alguns jogadores do nosso elenco estão abaixo do desempenho normal. Vamos buscar uma alternativa. Infelizmente a gente avaliou que era necessária a mudança. Vamos fazer e acreditamos que foi a melhor decisão a ser tomada", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.