Luis Hidalgo/AP
Luis Hidalgo/AP

Atlético-PR ganha duelo emocionante no Chile e vai às oitavas da Libertadores

Equipe comandada por Paulo Autuori avança no torneio após vitória por 3 a 2 sobre a Universidad Católica

Gabriel Melloni, Estadão Conteúdo

18 Maio 2017 | 00h06

O Atlético-PR suou e em um dos jogos mais imprevisíveis desta Libertadores, venceu a Universidad Católica por 3 a 2, em Santiago, para garantir vaga às oitavas de final da competição. Em um duelo emocionante nesta quarta-feira, a equipe brasileira fez valer sua experiência para aproveitar o desespero do adversário e marcar três vezes nos últimos 15 minutos.

Os times entraram em campo em Santiago, mas com a cabeça na Argentina. Afinal, dependiam o resultado do confronto entre San Lorenzo e Flamengo, que era disputado simultaneamente, para saber a situação do Grupo 4. E como à Universidad Católica somente a vitória interessava, o Atlético-PR administrou melhor a partida para matá-la no contra-ataque.

Em meio aos finais emocionantes e às reviravoltas em ambos os confrontos, classificaram-se à próxima fase San Lorenzo, na liderança da chave, e Atlético-PR, ambos com dez pontos. O Flamengo, que chegou à última rodada na ponta, acabou eliminado com nove pontos, assim como a lanterna Universidad Católica, com cinco.

Em busca da classificação, o Atlético-PR entrou em campo ligado e tomou para si a posse de bola. A primeira chegada aconteceu aos 13 minutos. Pablo ajeitou para Sidcley, que bateu na direção do gol, mas viu a zaga desviar e impedir que ela balançasse a rede.

Com marcações encaixadas dos dois lados, as chances eram escassas, mas o Atlético-PR seguia mais próximo da meta adversária. Aos 32, desperdiçou grande oportunidade, novamente pelo lado esquerdo. Sidcley fez ótima jogada, foi à linha de fundo e cruzou para trás, onde Nikão chegou batendo firme. Mas Toselli caiu e defendeu com as pernas.

E quando os brasileiros dominavam as ações, a Universidad Católica abriu o placar. A movimentação de Buonanotte abriu espaço na defesa do Atlético-PR. O meia recebeu de Espinosa na entrada da área e foi esperto para tocar rápido para Santiago Silva. O atacante bateu como pôde, de bico, e acertou o canto direito de Weverton, que não alcançou.

Como em boa parte de suas partidas, o Atlético-PR sofria demais com a falta de criatividade. E para tentar solucionar este problema, Autuori tentou de tudo. Carlos Alberto, Eduardo da Silva e Douglas Coutinho foram a campo, mas quem melhorou na etapa final foi a Universidad Católica.

O experiente Fuenzalida começava a encontrar espaços no ataque e quase marcou aos sete, quando tabelou com Buonanotte e bateu firme. A bola resvalou em Wanderson e tocou no travessão. Aos 24, o meia pegou mal e a sobra ficou na área. Buonanotte, então, apareceu para encher o pé, mas em cima de Weverton.

Quando o Atlético-PR parecia mais dominado, brilhou a estrela de Autuori, e suas trocas fizeram a diferença. Aos 30 minutos, Carlos Alberto recebeu lateral pela esquerda, cortou o marcador e cruzou para Eduardo da Silva, que desviou no canto direito de Toselli, sem chances para o goleiro.

O problema é que quase simultaneamente, o San Lorenzo chegou ao empate diante do Flamengo, o que obrigava o Atlético-PR a vencer. A Universidad Católica também precisava do triunfo para classificar, o que deixou a partida imprevisível.

O que se viu a partir daí foi uma chuva de gols. Com os dois lados precisando da vitória, as equipes se mandaram para frente. O Atlético-PR, mais experiente, soube esperar o adversário para sair no contragolpe, e assim chegou ao segundo gol aos 37, quando Nikão fez o pivô, Douglas Coutinho arrancou do meio de campo e tocou por baixo do goleiro para marcar o gol que, mais uma vez, parecia o da classificação.

Só que a defesa brasileira seguia dando espaços próximos à área, onde Noir recebeu sozinho aos 39 para acertar o ângulo de Weverton e deixar tudo igual novamente. Os chilenos se animaram mais uma vez e voltaram ao ataque, e aí, o Atlético-PR utilizou-se da mesma receita para definir a classificação. Aos 41, Carlos Alberto recebeu com muito espaço, tocou para Jonathan e recebeu de novo da entrada da área para acertar o ângulo do goleiro.

FICHA TÉCNICA

UNIVERSIDAD CATÓLICA 2 x 3 ATLÉTICO-PR

UNIVERSIDAD CATÓLICA - Cristopher Toselli; Magnasco, Kuscevic, Maripán e Parot; Manzano (Roberto Gutiérrez), Carlos Espinosa, Fuenzalida (Cordero), Buonanotte e Noir; Santiago Silva. Técnico: Mario Salas.

ATLÉTICO-PR - Weverton; Jonathan, Paulo André, Wanderson e Sidcley; Otávio, Matheus Rossetto e Lucho González (Carlos Alberto); Nikão, Pablo (Douglas Coutinho) e Grafite (Eduardo da Silva). Técnico: Paulo Autuori.

GOLS - Santiago Silva, aos 35 minutos do primeiro tempo. Eduardo da Silva, aos 30, Douglas Coutinho, aos 37, Noir, aos 39, e Carlos Alberto, aos 41 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Jonathan Fuentes (Fifa/Uruguai).

CARTÕES AMARELOS - Santiago Silva, Carlos Espinosa (Universidad Católica); Nikão (Atlético-PR).

CARTÃO AMARELO - Wanderson (Atlético-PR).

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Estádio San Carlos de Apoquindo, em Santiago (Chile).

Mais conteúdo sobre:
futebol Libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.