Avaí encara a Ponte Preta e quer acabar com jejum de vitórias no Brasileirão

Time catarinense não sabe o que é vencer desde a 23ª rodada

Estadão Conteúdo

22 Outubro 2017 | 09h54

Há seis jogos sem vencer - com três empates e três derrotas -, o Avaí espera surpreender a Ponte Preta, neste domingo, às 19 horas, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP), pela 30.ª rodada do Campeonato Brasileiro. Trata-se de um confronto direto contra o rebaixamento, uma vez que ambos estão dentro da zona de degola. Vencer pode significar um início de recuperação do time catarinense.

+ Confira a tabela do Campeonato Brasileiro

"Uma vitória pode até nos tirar da zona de rebaixamento. Mas temos que respeitar o adversário, que também pensa do mesmo modo e vai contar com o apoio de sua torcida", discursou o técnico Claudinei Oliveira. Ele tentou ver o lado positivo do empate por 1 a 1 com o Botafogo, na quarta-feira passada, com o gol do time carioca saindo aos 50 minutos do segundo tempo.

A diferença entre os times que lutam na degola é muito pequena. Antes do início desta rodada, o Avaí tinha 31 pontos, em 19.º e penúltimo, contra 32 do time paulista, em 17.º. Uma vitória deixará o clube de Santa Catarina com 34, inclusive na frente dos campineiros. Mas faz tempo que os catarinenses não ganham. O último triunfo aconteceu no dia 10 de setembro, portanto há mais de um mês, quando venceu o Sport por 1 a 0 no estádio da Ilha do Retiro, no Recife.

Claudinei Oliveira não tem nenhum desfalque, nem por lesão ou por suspensão. Com isso, é muito provável que repita a mesma escalação que empatou com o Botafogo. Na última sexta-feira os titulares fizeram apenas trabalhos leves no Centro de Formação de Atletas, em Florianópolis, mas a comissão técnica ainda fez um treino com bola neste sábado, antes da viagem para Campinas.

"Nós temos grandes chances de fazer um bom resultado, com todo o respeito ao time da Ponte Preta. O caminho é esse, saber sofrer como aconteceu em alguns jogos do campeonato, sem levar gols e criar chances para marcar. Tudo que aconteceu nos serviu de exemplo, não adianta procurar culpados. É seguir em frente para o próximo jogo", disse o lateral-esquerdo João Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.