Marcelo Malaquias / EC Bahia
Marcelo Malaquias / EC Bahia

Bahia minimiza evolução e desafia o Flamengo pensando em melhorar a compactação

Com dores lombares, Rodrigão fica fora e será substituído por Mendoza

Estadão Conteúdo

19 Outubro 2017 | 08h34

As boas atuações contra Palmeiras e Corinthians não iludiram o Bahia. É, ao menos, o que garante o técnico Paulo César Carpegiani ao pregar que o time precisa melhorar a compactação em todos os setores para enfrentar o Flamengo nesta quinta-feira, às 21 horas, no estádio Luso-Brasileiro, no Rio de Janeiro, pela 29.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

+ Entrevista com Marcelo Sant'Anna, presidente do Bahia: 'Na cultura brasileira, os resultados esportivos têm peso incalculável'

+ Flamengo tenta manter embalo contra o Bahia após Rueda encontrar formação ideal

"Temos muito a crescer ainda e a eliminar uma série de coisas. Na parte ofensiva, no meio e no setor defensivo. As duas oportunidades do Corinthians foram desatenção nossa. E tem a compactação, que é uma complexidade muito grande", ponderou o treinador. "São poucas equipes que têm essa compactação e é algo muito difícil. Mas vamos tentar caminhar para isso ou chegar perto. Muitas vezes você impõe o ritmo e perde no contra-ataque. Se eu perder criando o jogo, vou ficar satisfeito. Mas perder sem buscar o resultado, aí vou ter preocupações".

Desde a chegada de Paulo César Carpegiani, que assumiu no lugar de Preto Casagrande, o Bahia empatou com o Palmeiras fora de casa, em jogo onde desperdiçou inúmeras chances, e ganhou do líder Corinthians. Saltou, assim, para 35 pontos e ganhou fôlego na briga contra o rebaixamento. O treinador, contudo, reforça que espera mais do time. "Temos que ter muito progresso para almejar algo grande".

Com dores na região lombar, o atacante Rodrigão é desfalque certo para enfrentar o Flamengo. Seu substituto será o colombiano Mendoza, ausente na vitória sobre o Corinthians por questões contratuais. Esta, assim, deve ser a única mudança na escalação para esta quinta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.