1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Bauza culpa nervosismo e má pontaria por derrota do São Paulo

- Atualizado: 18 Fevereiro 2016 | 07h 46

Tricolor perde do The Strongest, no Pacaembu, por 1 a 0

O técnico Edgardo Bauza, do São Paulo, disse nesta quarta-feira que a derrota do time por 1 a 0 para o The Strongest, no Pacaembu, pela Copa Libertadores, se explica pela falta de eficiência em finalizar. O treinador argentino relembrou que na partida a equipe teve a posse de bola a maior parte de tempo, mas não conseguiu marcar por fazer escolhas erradas quando precisava concluir as jogadas.

Na estreia na fase de grupos, o time do Morumbi pressionou bastante no primeiro tempo, até permitir o gol de Alonso na etapa final e não conseguir reagir. "Faltou ter mais clareza para escolher o passe, o cruzamento a melhor definição. A equipe não esteve tranquila para fazer essas escolhas. Não conseguimos romper o ferrolho do adversário. Foi difícil criar", afirmou.

Bauza admite que a atuação do São Paulo ficou abaixo do esperado
Bauza admite que a atuação do São Paulo ficou abaixo do esperado

O argentino admitiu que a atuação ficou abaixo do esperado, principalmente pela pouca criação ofensiva. "Tivemos a bola nos pés por quase 75 minutos. Nos últimos 20 metros do campo nos faltou tomar a melhor a decisão. Produzimos poucas jogadas de gol", criticou. No segundo tempo o São Paulo não deu trabalho ao goleiro Vaca e teve como melhores chances dois chutes para fora de Michel Bastos e Kieza, este último já nos minutos finais.

Nem mesmo as alterações no segundo tempo renderam o esperado. Bauza colocou três atacantes recém-contratados: Calleri, Kieza e Rogério. "Tentei deixar o time mais ofensivo apra ganhar o jogo. Isso os deu mais jogadores no ataque, mas sem qualidade. Não conseguimos levar perigo ou ser velozes", lamentou o argentino, que chegou à segunda derrota seguida no comando do time.

As mesmas críticas sobre a criação o time recebeu na última quarta-feira. Bauza afirmou que na vitória por 1 a 0 sobre o Cesar Vallejo, pela Copa Libertadores, faltou profundidade e mais movimentação para pressionar a equipe peruana. Naquele jogo a vitória só veio nos minutos finais, com o gol de Rogério.

Libertadores de 2016
Alex Cruz/EFE
Libertadores 2016

Carlos Esquivel, do Toluca, disputa bola com Marcelo Oliveira, do Grêmio, durante jogo que terminou com vitória dos mexicanos pela primeira rodada da fase de grupos da Libertadores

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX