Boa campanha não acomoda São Paulo

Nem os 30 gols marcados até aqui no Torneio Rio-São Paulo são suficientes para saciar os jogadores do São Paulo. Numa fase em que tudo parece dar certo ? o time é o vice-líder da competição, com 20 pontos, e dono do melhor ataque ?, alguns atletas ainda estão insatisfeitos. O caso que mais chamou a atenção foi o do atacante Reinaldo. Ele não economizou palavras ao ?puxar a orelha? dos companheiros. ?Falta sede de gol ao nosso time?, disse. ?Um time grande tem de pensar grande.? O que estava incomodando o atacante é a apatia que, segundo ele, toma conta do grupo, sobretudo nos primeiros minutos do segundo tempo. ?Começamos sempre a tocar de lado, talvez para descansar um pouco, pois todos correm muito?, observou. ?Porém, tem de meter gol mesmo.? Seu companheiro de ataque, França, concorda, mas fez questão de destacar que não se importa com a eventual pressão da torcida por goleadas ? os são-paulinos venceram seus últimos seis jogos com placar dilatado. ?Claro que queremos fazer gols. Mas o que vale nesse momento são os pontos, nem que seja por 1 a 0.? Nessa linha de raciocínio também se encontra o técnico Nelsinho Baptista. Ele está preocupado em fazer com que seus jogadores não percam a noção da realidade com todo o assédio que vêm recebendo da mídia e da torcida. ?Faço questão de sempre lembrar a eles os momentos difíceis que já passamos aqui mesmo no clube?, afirmou. ?Temos de manter a seriedade e a solidariedade do nosso trabalho. Também queremos o título.?

Agencia Estado,

12 Março 2002 | 19h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.