1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Bola de cristal

Veríssimo

É conhecida a história daquele editor de jornal que se lembrou, em cima da hora, que, no dia seguinte, era Páscoa e o jornal precisava se referir à data. Entrou na redação e pediu a um repórter: "Escreve aí cinco linhas sobre o martírio de Jesus Cristo". E o repórter: "A favor ou contra?".

Também faz parte do folclore jornalístico a matéria feita antes do fato, que vale para qualquer eventualidade. Considerações sobre o nada, à prova de desmentido.

Outro recurso do jornalista na sua eterna luta com os prazos de fechamento do jornal é fazer duas matérias, uma prevendo uma coisa e outra prevendo o seu oposto. Este é perigoso, pois há sempre o risco de haver confusão e sair a matéria errada. No caso do futebol, a matéria dupla feita antes de se conhecer o resultado do jogo - por que ganhamos, por que perdemos - requer uma dose ainda maior de sangue-frio.

O essencial. A verdade é que entre todos os avanços tecnológicos disponíveis, hoje, para jornalistas e palpiteiros ainda não inventaram o que realmente precisamos.

Lembro a sensação que foi, entre nós, subdesenvolvidos, a aparição de jornalistas europeus com computadores portáteis, ainda primitivos mas já anos na frente dos nossos humildes blocos de notas e canetas, na Copa do México, em 1986.

Transcrevíamos nossas notas com máquinas de escrever pré-históricas e, depois, picotávamos nossas matérias em fitas de Telex, para transmiti-las à redação.

Hoje temos tudo na palma da mão e na ponta dos dedos - celulares, smartphones, tablets, satélites e etcéteras eletrônicos - para transmissões instantâneas, mas ainda não temos bolas de cristal.

Nada mais antigo, do tempo de magos e feiticeiras, do que bolas onde se enxerga o futuro. Mas falta a versão para jornalistas.

Assim não dá.

Tortura. Confissão: o texto acima foi escrito antes do jogo entre Brasil e Chile, no Mineirão. Agora eu sei qual foi o resultado da partida. E cada vez me convenço mais que decisão nos pênaltis deveria ser proibida pela Convenção de Genebra.

Quanto ao jogo propriamente dito, minha análise abalizada é a seguinte: UFA!

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo