Boleiros em baixa na exposição de Pelé

Bolas, troféus, medalhas, camisas e chuteiras antigas. Tudo isso disposto em uma atmosfera cuidadosamente elaborada para passar um recado ao visitante: você está num ambiente próprio do futebol. Até mesmo o comportamento do público expõe tal constatação. Afinal, em que outra mostra de arte é possível encontrar tantas pessoas ?formalmente? trajadas com a camisa do seu clube do coração. Só um detalhe intriga na exposição em homenagem a Pelé, até dia 31, no Museu de Arte de São Paulo (Masp): não há jogador de futebol. Então fica a pergunta: por que profissionais da bola não comparecem ao evento montado para contar a história daquele que é considerado o maior ícone da categoria? Quem dá a primeira impressão é o segurança da exposição André Muniz. "Eu acho que eles (jogadores) têm inveja do Pelé", afirmou, categórico. "Desses jogadores famosos da atualidade, até agora não vimos nenhum por aqui." A exceção foi a festa de inauguração. Na oportunidade, o acesso ao local ficou restrito aos convidados. Mas de lá para cá, simples conversas com pessoas que trabalham no Masp revelam que os jogadores do Guarani foram os únicos a marcar presença. "Eles vieram aqui no dia 19 e sabiam mais do que eu", disse o orientador de visitas Wagner Roberto Sacco. "Uma das coisas que mais chamavam a atenção deles eram as chuteiras antigas. Alguém até brincou dizendo que não podiam reclamar das que são utilizadas hoje em dia." Como a delegação bugrina era grande, foi dividida em grupos distintos. A orientadora Adriana Galindo ficou com os atletas mais experientes do time. "Eles ficaram muito atentos à história. Alguns até davam informações que a gente não sabia", explicou. Social - De acordo com o coordenador do serviço educativo do Masp, a experiência em abrigar uma exposição centralizada numa figura esportiva é interesssante. "A exposição de arte ajuda a quebrar o preconceito, por exemplo, de que o professor de educação física não freqüenta esse tipo de lugar", explicou. O museu disponibiliza orientadores para grupos de todas as idades. Mais informações e visitas agendadas no telefone 251-5644.

Agencia Estado,

01 Março 2002 | 18h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.