Friedeman Vogel / EFE
Friedeman Vogel / EFE

Borussia Dortmund anuncia demissão do técnico Thomas Tuchel

Razão, segundo comunicado oficial, é a busca por bem-estar no clube

Estadão Conteúdo

30 Maio 2017 | 09h54

O Borussia Dortmund anunciou nesta terça-feira a demissão do técnico Thomas Tuchel, apenas três dias após o treinador conduzir o clube ao seu primeiro título nos últimos cinco anos. O contrato entre o time e o técnico só se encerraria ao fim da temporada 2017/2018.

O clube explicou que a saída imediata do treinador, de 43 anos, foi definida após uma reunião. "Este é o resultado de uma reunião entre Hans-Joachim Watzke (chefe-executivo do clube), Michael Zorc (diretor esportivo), Thomas Tuchel e seu empresário Olaf Meinking, que aconteceu na terça-feira", disse o Dortmund.

O clube agradeceu a Tuchel e sua comissão técnica por seu sucesso esportivo. O último jogo do time sob o seu comando foi a vitória por 2 a 1 sobre o Eintracht Frankfurt, no sábado, na decisão da Copa da Alemanha. A diretoria optou por não detalhar os motivos para a demissão, mas o Dortmund viveu uma temporada inconstante.

"O Dortmund, como empregador, não comentará em detalhes as razões da separação, o resultado de um processo longo e apoiado por todo a direção do clube", disse em um comunicado. "O Dortmund atribui grande importância ao fato de que a causa da separação não é de modo algum (apenas) um desacordo entre duas pessoas. O bem-estar do clube Borussia Dortmund, que constitui muito mais do que apenas o sucesso esportivo, será sempre mais importante do que os indivíduos e possíveis diferenças entre eles".

Com passagem anterior pelo Mainz, Tuchel assumiu o comando do Dortmund em 2015, levando o time a ser o melhor vice-campeão alemão da história e também para a final da Copa da Alemanha, sendo que ambos os torneios foram vencidos pelo Bayern de Munique.

Tuchel inicialmente ganhou elogios por recuperar um time que havia caído de rendimento no último ano sob o comando de Jurgen Klopp e por implementar um estilo de jogo ofensivo. Nesta temporada, após altos investimentos e grandes mudanças no elenco, o Dortmund ficou em terceiro lugar no Alemão, atrás do Bayern e do recém-promovido RB Leipzig, e venceu a Copa da Alemanha.

Mas Tuchel teve vários problemas com dirigentes, como em janeiro de 2016, quando se desentendeu com o chefe do scout do Dortmund e amigo de Zorc, Sven Mislintat, pelas negociações com Oliver Torres, então no Atlético de Madrid.

Após a final da Copa da Alemanha de 2016, ele criticou Mats Hummels, de saída para o Bayern, e as mudanças promovidas no elenco por Watzke, que perdeu jogadores-chave como Henrikh Mkhitaryan e Ilkay Gundogan. Em janeiro, disse que não tinha conhecimento da contratação do atacante sueco Alexander Isak.

No último fim de semana, após a conquista da Copa da Alemanha, Tuchel garantiu que desejava permanecer à frente do Dortmund. Agora a diretoria confirmou que tinha uma visão bem diferente para o futuro do clube.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.