Vanderlei Almeida/AFP
Vanderlei Almeida/AFP

Botafogo e Flamengo duelam pela ponta com esquema de segurança

Preocupação aumentou após confronto no último domingo

MARCIO DOLZAN E SÍLVIO BARSETTI, O Estado de S. Paulo

01 Março 2015 | 08h49

O clássico que vale a liderança do Campeonato Carioca e marca o aniversário de 450 anos do Rio será de comemoração, mas também está deixando as autoridades cariocas em alerta. Botafogo e Flamengo deverão jogar para um público de 50 mil pessoas neste domingo, às 16 horas, no Maracanã - e eles serão observados por 1.230 homens entre policiais militares, guardas municipais e seguranças privados.

A preocupação aumentou após a briga generalizada de domingo passado, quando membros de organizadas de Vasco e Fluminense entraram em confronto nos arredores do Engenhão. No total, 118 torcedores foram detidos.

O efetivo destacado para o jogo de domingo é quase três vezes maior que o designado para o clássico da semana passada, e inclui 460 PMs e 190 guardas municipais. Dentro do estádio, 350 agentes privados estão escalados. A estratégia de segurança prevê policiamento ostensivo em várias estações ferroviárias da cidade e locais tradicionais de conflito entre torcidas nos dias de grandes jogos.

Em campo, o clássico também servirá como despedida em jogos oficiais do lateral Léo Moura, capitão do Flamengo, que está deixando o clube após dez anos. "Vai ter que jogar e corresponder. Não adianta poupar. Ele está sabendo do risco que corre", declarou o técnico Vanderlei Luxemburgo. Léo Moura vai atuar no futebol dos Estados Unidos, mas antes disso se despede do clube carioca na quarta-feira em amistoso com o Nacional do Uruguai no Maracanã.

O time rubro-negro deverá ter dois desfalques. O meia Everton não se recuperou do edema na coxa esquerda e já foi vetado. Já o volante Cáceres sofreu um trauma no pescoço contra o Brasil de Pelotas e neste sábado foi vetado pelo departamento médico será reavaliado.

Líder invicto do Carioca, o Botafogo tem surpreendido até mesmo seus torcedores. O técnico René Simões está confiante e comemora o retorno do meia Diego Jardel. "É um jogador que apareceu bem nos jogos, fez dois gols", destacou. Ele enalteceu os avanços do atleta. "É um jogo em que vamos ter que penetrar muito, não vai ter jeito."

Mas, se terá a volta de Jardel, o Botafogo ganhou um problema de última hora para o clássico. O atacante Bill deixou o treino deste sábado com dores na coxa direita e virou dúvida na equipe alvinegra. Caso a sua ausência seja confirmada, René Simões deve optar por Sassá ou Tássio para formar dupla de ataque com Jobson. Bill é o artilheiro do Botafogo no Estadual, com quatro gols em seis jogos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.