Robson Morelli/Estadão
Robson Morelli/Estadão

Brasil espera definição sobre campo para confirmar Sochi como sede

Comissão técnica aguarda garantia de gramado extra para anunciar cidade no sul da Rússia como quartel general na Copa

Almir Leite, Ciro Campos, Leandro Silveira, O Estado de S. Paulo

09 Outubro 2017 | 07h00

A CBF está cada vez mais perto de oficializar Sochi como quartel-general da seleção brasileira na Copa da Rússia, mas ainda faltam alguns detalhes para que o acordo com a cidade seja efetivamente fechado. Um deles está relacionado ao local de treinamento. Apesar de haver um campo a poucos passos do hotel que servirá de concentração para a equipe, a comissão técnica quer ter à disposição um outro espaço, como opção alternativa.

+ Gabriel Jesus celebra volta ao estádio do Palmeiras

+ Egito volta à Copa do Mundo após 28 anos

Esse outro campo também fica próximo ao estádio municipal de Sochi. É praticamente ao lado e sua utilização está sendo negociada com o pessoal da cidade e também com a Fifa. Não deverá haver problemas para o acordo.

Em outra frente, a CBF trabalha para acertar toda a burocracia com a Fifa, com o hotel e com a cidade. Só após a etapa ser concluída é que a entidade vai anunciar Sochi como casa da seleção.

Sochi sempre foi a sede preferida do técnico Tite e da comissão técnica. A cidade tem a preferência por ser pequena – que torna as distâncias curtas e a locomoção rápida -, de clima agradável, estar ao nível do mar e por ter boa infraestrutura. Sochi sedia anualmente o GP da Rússia de Fórmula 1 e em 2014 recebeu os Jogos Olímpicos de Inverno.

Além disso, o hotel em que a seleção deverá ficar tem ótima infraestrutura, com apartamentos espaçosos, uma academia com equipamentos modernos e mais de um prédio, o que possibilitará aos jogadores levarem suas famílias, ficando perto deles. A presença de familiares é uma das decisões de Tite para tornar o ambiente o melhor possível no período da Copa.

O maior empecilho para a seleção ficar em Sochi era a Áustria, que tinha requisitado primeiro as instalações. Mas como os austríacos não irão à Rússia, o caminho ficou livre.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.