Vanessa Carvalho / Brazil Photo Press
Vanessa Carvalho / Brazil Photo Press

Brasil que se vire com as  arenas vazias, diz Fifa. 'O problema é de vocês'

Para dirigentes da entidade, o problema é único e exclusivo do Pais

JAMIL CHADE / ZURIQUE, O ESTADO DE S.PAULO

21 Março 2015 | 17h00

Menos de um ano depois da Copa do Mundo que rendeu um lucro recorde para a Fifa, a entidade não quer nem ouvir falar do Brasil. Nesta semana, a Fifa reuniu sua cúpula em Zurique e, na agenda, apenas os Mundial de 2018, 2022 e 2026. Questionados pelo ‘Estado’ se haviam discutido os estádios vazios do Brasil, os cartolas foram claros: “Esse problema é de vocês".

Para a Fifa, o Brasil de fato garantiu a “Copa das Copas’’. A renda e os lucros bateram todos os recordes, como o Estado revelou com exclusividade em sua edição de quinta-feira. No total, a receita chegou a quase R$ 16 bilhões e os lucros superaram a marca de R$ 8,3 bilhões. A Copa foi o evento esportivo mais lucrativo da história.

Mas essa renda não voltou ao Brasil e apenas 2% da receita serão distribuídos em projetos sociais e de desenvolvimento do futebol no País. Enquanto isso, pelo menos seis dos 12 estádios estão com sérias dificuldades para se financiar, fecharam ou foram pegos no meio de escândalos de corrupção. 

Para a Fifa, porém, esse é agora um problema do Brasil. Walter de Gregório, diretor de Comunicações da entidade e que percorreu o País antes da Copa para convencer a todos de que o Mundial era um grande negócio, agora silencia quando questionado sobre o que fazer com os estádios vazios. “Não tratamos de Brasil’’, afirmou.

A Fifa não queria nem aceitar que Manaus fosse usada para os Jogos Olímpicos de 2016 como uma das sedes do torneio de futebol. Foi necessário pressão da CBF e do governo para que a cidade fosse incluída num esforço de garantir algum tipo de evento para a Arena da Amazônia. Os times amazonenses têm evitado usar o estádio diante dos custos para os jogos do Estadual e de um público médio de 659 pessoas por jogo. O prejuízo supera a marca de R$ 2 milhões.

“A Copa de 2014 é passado’’, declarou um outro dirigente na condição de anonimato. Segundo cálculos de diversos governos estaduais, porém, a realidade é que a Copa do Brasil vai perseguir as contas públicas ainda por anos. Em Salvador, a empresa que administra o estádio, a OAS, teve suas ações bloqueadas pela Justiça na Operação Lava Jato e pode ser obrigada a se desfazer do investimento na arena. Em Brasília, a falta de jogos no estádio Mané Garrincha levou o governo do DF a levar parte de sua burocracia para ocupar o local. Hoje, seu buraco é de mais de R$ 5 milhões. Nem o Maracanã opera com lucros. Em Natal, o ABC rompeu nesta semana um acordo com o consórcio que administra a Arenas das Dunas. Em janeiro, a Arena Pantanal teve de fechar suas portas para uma reforma “urgente’’.

Protestos. Se a situação dos estádios gera uma saia-justa na sede da Fifa, é com um sorriso de satisfação que os cartolas comentam os protestos que voltaram a tomar conta das cidades do País. “Então? Não era contra a Copa do Mundo que as pessoas protestavam?’’, questionou um deles, soltando uma gargalhada.

A Fifa viveu seu momento mais difícil entre 2013 e 2014 diante dos protestos no Brasil contra a Copa. O impacto das manifestações foi sentido em diversos países e governos europeus optaram por não se candidatar para sediar grandes eventos esportivos, temendo a reação popular. No Comitê Olímpico Internacional, uma reforma foi implementada para tornar os megaeventos mais transparentes. 

Mas, na Fifa, o sentimento é em parte de revanche e, nos corredores, os ataques contra o País que garantiu a maior renda da história da entidade são explícitos. “A realidade é que o problema é do Brasil, não do futebol’’, disse um dirigente europeu.

“Peguei outro dia o jornal e pensei que estávamos de volta na Copa’’, brincou Walter de Gregório em relação às fotos que foram capa dos jornais europeus com milhares de pessoas no Rio de e São Paulo protestando.Um dos principais colaboradores de Blatter, também na condição de anonimato, conta que não passa sem ser notada a debilidade da presidente Dilma Rousseff. “Ela fica até quando no poder ?’’, questionou, irônico.

Mais conteúdo sobre:
Fifa Arenas Estádios

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.