Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Esportes

Esportes » Brasil tenta simular México, mas vê seleção do Panamá mais frágil

Futebol

Esportes

Copa 2014

Brasil tenta simular México, mas vê seleção do Panamá mais frágil

Seleção brasileira enfrenta pela terceira vez o time caribenho. Nos primeiros compromissos, duas vitórias elásticas pelo placar de 5 a 0

0

Leandro Silveira,
Agência Estado

03 Junho 2014 | 10h34

GOIÂNIA - Não é coincidência que o Brasil tenha escolhido seleções da África (África do Sul), da América Central (Panamá) e dos Bálcãs (Sérvia) para os seus três amistosos em 2014 que antecedem a disputa da Copa do Mundo. Afinal, os adversários da equipe dirigida por Luiz Felipe Scolari na primeira fase do Mundial - Croácia, México e Camarões - são exatamente dessas regiões.

A ideia, portanto, é se preparar encarando adversários que possuem estilo de jogo semelhante ao desses oponentes. Adversário do Brasil nesta terça-feira, em Goiânia, o Panamá foi adversário direto do México nas Eliminatórias da Concacaf e não conseguiu se classificar para a repescagem mundial graças ao tropeço diante dos Estados Unidos - derrota por 3 a 2 -, ficando em quinto lugar em um hexagonal. O México, então, avançou para a repescagem e se classificou para a Copa.

Já o Panamá não entrava em campo desde a derrota para os Estados Unidos, em outubro, e só encerrou esse período de paralisação no último sábado, quando empatou por 1 a 1 com a Sérvia em amistoso disputado na cidade de Chicago. A seleção panamenha ocupa, hoje em dia, a 35.ª colocação no ranking da Fifa, e repete uma rotina do Brasil na preparação das últimas Copas: não enfrentar oponentes que se classificaram para o Mundial.

Anteriormente, o Brasil encarou adversários até bem mais fracos, como um combinado da região da Umbria, na Itália, em 1990. Já em 2010, duelou com Zimbábue e Tanzânia antes da Copa. Dessa vez, o adversário nunca participou de um Mundial e foi goleado por 5 a 0 pelo Brasil nas duas partidas em que se enfrentaram, em 1952 e 2001.

Para o zagueiro Dante, mais do que simular o estilo de jogo de um rival, os amistosos com Panamá e Sérvia são fundamentais para avaliar o comportamento da própria seleção brasileira. "Mais importante é o nosso comportamento. Não nos dará garantia de nada, em relação a México e Croácia, se vencermos. É encarar a forma de jogo deles, que é parecida, e tentar furar o bloqueio. O importante é o nosso comportamento. Ter ritmo, pegada, compactação do time inteiro e atenção nas bolas paradas", disse.

Se o rival frágil dá boas chances de vitória ao Brasil nesta terça-feira, o retrospecto no Serra Dourada também ajuda. No principal palco do futebol goiano, a seleção acumula 11 triunfos e dois empates, sem nunca ter sido derrotada. No último compromisso no local, em setembro de 2012, vitória por 2 a 1 sobre a Argentina, pelo Superclássico das Américas, de virada, com gols de Martínez, Paulinho e Neymar.