1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa das Confederações

Brasil x Espanha: história em jogo

MATEUS SILVA ALVES - Enviado especial - O Estado de S. Paulo

29 Junho 2013 | 22h 45

Seleção quer uma vitória diante dos espanhóis para recuperar o prestígio no cenário internacional

RIO - O novo Maracanã vai viver uma noite de glória, à altura das noites mais marcantes do velho Maracanã. Às 19 horas, Brasil e Espanha vão disputar dois títulos: um deles real, tangível, o da Copa das Confederações. O outro, simbólico, mas talvez mais valioso, o de soberano do futebol.

De um lado, estará aquela que é reconhecida como a melhor seleção do planeta. Campeã do mundo e bicampeã da Europa com um estilo que está marcando época, a Espanha estabeleceu uma hegemonia como há muito não se via. Do outro lado, o Brasil, ex-melhor do mundo, louco para voltar a ser reconhecido como o número um.

A partida terá um charme fora do comum porque será a primeira vez que os espanhóis vão enfrentar a seleção brasileira desde que se tornaram os donos do mundo. Eles sabem que ainda falta dar um último passo para a consagração total, a "cereja do bolo": vencer os brasileiros em uma competição oficial. E melhor ainda que seja no Brasil, diante dos olhos de torcedores que têm vaiado a Espanha desde a primeira rodada da Copa das Confederações por saberem que, para voltar a dominar o futebol, a seleção pentacampeã mundial precisa superá-la.

Para o Brasil, portanto, o jogo é ainda mais importante do que para a Espanha. Por razões morais e práticas. Luiz Felipe Scolari admite que a equipe brasileira ainda está em construção e, para avaliar seu estágio de evolução, nada melhor do que medir forças com os melhores. Uma vitória dará ao time de Felipão um certificado de qualidade valiosíssimo, ao passo que uma derrota não será para o treinador o fim do mundo. Será, isso sim, uma boa aula para superar a Espanha quando mais interessa, na Copa do Mundo do ano que vem.

Não por acaso, integrantes das duas seleções passaram os últimos dias demonstrando sua felicidade por poder participar da partida. "Enfrentar o Brasil no Maracanã é um sonho de criança", disse o técnico da seleção espanhola, Vicente del Bosque. "Eu estou doido para jogar contra a Espanha", comentou Carlos Alberto Parreira, coordenador técnico da seleção brasileira, antes de saber que os espanhóis seriam os adversários do Brasil na decisão.

CONFRONTO DE ESTILOS 

A partida do Maracanã será um interessante choque de estilos. A Espanha jogará como vem jogando desde a Eurocopa de 2008, sua plataforma de lançamento para o domínio mundial. O time tentará ficar com a bola o máximo de tempo possível, trocando passes rapidamente e com incessante troca de posições de seus jogadores de frente. Incerta mesmo é a postura que a equipe do Brasil adotará.

Em seus três primeiros jogos na competição, o time brasileiro adotou a marcação por pressão sobre a defesa adversária nos primeiros minutos da partida. Não por acaso, contra Japão e México o Brasil abriu o placar logo no começo e faltou muito pouco para repetir a dose na partida contra a Itália.

Na semifinal, no entanto, a postura não foi a mesma e a equipe brasileira sofreu. Agora, é possível que a tática da pressão volte a ser usada, já que a Itália fez algo parecido contra a Espanha e deu certo. Os italianos foram agressivos desde o princípio da partida e assustaram os espanhóis, que ficaram menos com a bola do que o normal.

Para vencer a Espanha no Maracanã, o Brasil dependerá muito do trio formado por Neymar, Oscar e Hulk - que, apesar de ser muito criticado pela torcida e pela imprensa, deverá continuar no time. Esses três terão a tarefa de roubar a bola no campo de ataque e partir em alta velocidade rumo à área inimiga. Se cumprirem a missão, com certeza vão pegar a defesa espanhola desprevenida, já que ela joga sempre adiantada - isso faz parte da cultura do "tiki-taka".

Ah, tem outro detalhe: a torcida. Caso os cariocas apoiem o Brasil desde o Hino Nacional, como nos quatro jogos anteriores, a seleção brasileira terá mais chance de tombar o mais assustador bicho-papão do futebol atual. Convenhamos, não será pouca coisa.

Copa das Confederações

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo