Montagem sobre fotos de  JF DIORIO, DANIEL TEIXEIRA, ERNESTO RODRIGUES e SERGIO DUTTI/ESTADÃO
Montagem sobre fotos de JF DIORIO, DANIEL TEIXEIRA, ERNESTO RODRIGUES e SERGIO DUTTI/ESTADÃO

Brasileirão, o campeonato mais equilibrado do mundo

Em comparação aos principais nacionais, a liga brasileira é a que tem maior número de campeões diferentes

Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

13 Maio 2017 | 17h00

O técnico Cuca reestreia pelo Palmeiras neste domingo, contra o Vasco, no Allianz Parque, pela primeira rodada do Brasileirão. Apesar da euforia dos torcedores palmeirenses pelo retorno do treinador campeão no ano passado, ele pediu cautela à torcida. Quem já ganhou o torneio sabe que não será nada fácil conquistar pela segunda vez o campeonato mais equilibrado do mundo.

Em comparação às seis maiores ligas do planeta, o Brasileirão é o que inicia com o maior número de equipes em condições de conquistar o título. Claro que existem favoritos, como o próprio Palmeiras, muito pelo investimento desmedido de sua parceira, ou o Flamengo, outro clube que parece alheio à crise econômica. Mas é impossível descartar Corinthians, Santos, São Paulo, Grêmio, Atlético-MG, Cruzeiro, Fluminense...

De 1971, ano da primeira edição do Brasileirão - mais tarde, os títulos conquistados de 1959 a 1970 foram unificados pela CBF -, para cá, o Brasil registrou 17 campeões contra 12 de Inglaterra e França, seguidos de Alemanha e Itália (ambos com nove), Espanha (sete) e Portugal (quatro). Exceção feita ao Francês, todos os outros apresentam uma concentração de forças. São sempre poucos times brigando pelo título.

"Certamente o Brasileiro é o mais equilibrado do mundo. Você pode colocar aí dez, doze times em condições de brigar pelo título", afirmou o ex-atacante Careca, campeão italiano pelo Napoli na temporada 1989-90 ao lado de Diego Maradona. Por lá, a Juventus é soberana, com as equipes de Milão brigando pelo segundo posto. "Existem campeonatos mais difíceis, mas competitivo como é o Campeonato Brasileiro, não há."

Campeão pelo Deportivo La Coruña em 1999-2000, em um campeonato em que Real Madrid e Barcelona se revezam na conquista dos títulos com raríssimas exceções, o ex-meia Djalminha aponta que o Brasileirão se tornou o mais equilibrado do mundo principalmente depois da mudança na fórmula de disputa, em 2003. "Desde que mudou para o sistema de pontos corridos, ficou claro (que o Brasileiro é o mais equilibrado) porque não tem nenhum time superior ao outro. Esse é o motivo. Não podemos confundir equilíbrio com dificuldade. Não é o mais difícil, é o mais equilibrado", analisou.

Investimento. Para Djalminha, o equilíbrio está ligado ao poder financeiro. "Na Espanha, temos o costume de dizer que só ganha Real e Barça, mas olha os times em relação aos rivais? Se Flamengo e Corinthians fossem assim, eles também ganhariam tudo. A diferença é essa."

Campeão brasileiro pelo Santos em 2002, o ex-atacante Aberto concorda com Djalminha. "São níveis diferentes. É o mais equilibrado porque os clubes conseguem chegar em um orçamento parecido", afirma. "Você tem o Palmeiras, que me parece ter muito dinheiro, se reforça mais, consegue um elenco maior e de qualidade. Mas isso também não faz com que o time seja o campeão garantido, que vai existir uma briga apenas para quem vai ficar em segundo."

Assim como Alberto, Djalminha e Careca não arriscam palpites para campeão em 2017. "O Palmeiras foi campeão em 2016, contratou, tem praticamente dois times, mas não o vejo como favorito absoluto. É um dos candidatos. Temos alguns times na briga pelo campeonato", disse Djalminha. "O Palmeiras, agora com o Cuca, tem tudo para chegar, mas tem São Paulo, Corinthians, Grêmio, Flamengo, os clubes de Minas...", completou Careca.

Alberto faz um alerta. Segundo ele, diante de um campeonato tão equilibrado, o bom desempenho no Estadual não pode servir de parâmetro para o Campeonato Brasileiro. "Quem vai mal no Estadual acaba se reforçando e se acerta, e o que ganhou, não. Isso faz diferença", diz. "O Inter foi campeão gaúcho em 2016, começou até como líder no Brasileiro e depois foi rebaixado à Série B."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.