Reuters
Reuters

Campeão mundial em 1978, Menotti chama Argentina de 'faz me rir' do futebol

Ex-treinador classificou atual situação da equipe, que pode ficar de fora da Copa, de 'crônica de uma morte anunciada'

Estadão Conteúdo

09 Outubro 2017 | 19h31

O ex-treinador César Luis Menotti, que conquistou a Copa de 1978 comandando a Argentina, classificou a possibilidade de o país não se classificar para o Mundial da Rússia do ano que vem como a "crônica de uma morte anunciada" e culpou os dirigentes da Associação de Futebol Argentino (AFA) pela crise que acometeu o futebol nacional.

+ Tite: Brasil e Chile são as duas melhores equipes da América do Sul

+ Sérvia bate Geórgia e se classifica à Copa

+ Islândia garante vaga na primeira Copa de sua história

"O futebol argentino está confuso. Aconteceram coisas insólitas. Hoje o futebol argentino é o 'faz me rir' do mundo. Eles derreteram. Perderam milhões de dólares pela doença do sucesso. Nosso futebol acabou se tornando um circo que só é sustentado porque existe uma relação afetiva entre a bola e o público", desabafou o ex-técnico em entrevista ao Canal TyC Sports, da Argentina.

César Luis Menotti entende que os jogadores argentinos sentiram o peso das várias trocas de treinadores durante as Eliminatórias - a Argentina iniciou a competição com Tata Matino, depois passou a ser comandada por Edgard Bauza e, por fim, a ser treinada por Jorge Sampaoli.

O técnico campeão mundial - e que também comandou clubes como Boca Juniors, Atlético de Madrid e Barcelona - afirmou que a desclassificação da Argentina "não convém a ninguém" e frisou ainda que a queda da Copa de 2018 não é necessária para que os dirigentes aprendam com os erros dos últimos anos.

Por outro lado, apesar das críticas em relação à administração do futebol argentino, César Luis Menotti se mostrou confiante na vitória sobre o Equador na altitude de Quito (2.850 metros acima do nível do mar), nesta terça-feira, em jogo da rodada final do qualificatório sul-americano. O ex-técnico acredita que o time será mais inteligente no embate.

"O medo da altitude nos fará jogar com muita cautela e paciência. Acredito que vamos jogar melhor porque vamos medir o esforço da altitude, que é tão significativa quanto à de La Paz (cidade boliviana situada a 3.600 metros acima do nível do mar). Não é favorável, mas não pesa tanto", completou César Luis Menotti.

Com 25 pontos, a Argentina ocupa o sexto lugar das Eliminatórias e estaria fora até mesmo da repescagem - contra a Nova Zelândia, a vencedora na Oceania - para garantir uma vaga na Copa da Rússia.

O Brasil lidera o grupo com 38 pontos; o Uruguai vem em segundo, com 28; o Chile é o terceiro, com 26; a Colômbia está em quarto, com a mesma pontuação. Já o Peru, com os mesmos 25 pontos dos argentinos, seria o país que teria a chance de disputar a quinta vaga no Mundial na repescagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.