Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians
Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Carille afirma que briga atrapalhou concentração do Corinthians

Segundo técnico, conflito entre torcedores atrasou a preparação do time para enfrentar o Coritiba, no Couto Pereira

O Estado de S. Paulo

18 Junho 2017 | 14h26

Briga entre torcida Corinthiana e a torcida do Coritiba antes do início da partida no Couto pic.twitter.com/lqFLZvZ3PC

O técnico do Corinthians, Fábio Carille, disse neste domingo que a briga entre torcidas horas antes do jogo com o Coritiba, no Couto Pereira, pelo Campeonato Brasileiro, atrapalhou a preparação da equipe. O conflito nos arredores do estádio e que acabou com sete feridos atrasou a ida da delegação para a partida. Os times empataram em 0 a 0.

 

O confronto nas ruas, por volta das 8h30, levou a Polícia Militar a adiar a saída do Corinthians rumo ao estádio. Em vez de deixar o hotel às 9h15, o ônibus corintiano saiu escoltado apenas às 9h40. "Se o meu time estivesse mais concentrado, a gente iria acertar mais passes e fazer um jogo melhor. O jogo de hoje é para servir como alerta para não entrarmos mais assim", afirmou Carille, em entrevista coletiva.

O Corinthians chegou atrasado ao Couto Pereira para fazer o trabalho de aquecimento e subiu ao gramado para o jogo pouco depois das 11h, horário marcado para o pontapé inicial. No empate sem gols, o Coritiba foi quem criou mais as chances, embora o time paulista tenha feito um gol anulado incorretamente. O árbitro assinalou impedimento inexistente de Jô em lance já nos minutos finais.

"Ficamos quase 30 minutos na porta do hotel esperando o ônibus sair. Mas ainda bem que conseguimos o empate. Estamos invictos no campeonato e seguimos na parte de cima", disse o treinador. O Corinthians perderá a liderança caso o Grêmio derrote no próxima segunda-feira, no Mineirão, o Cruzeiro.

O treinador lamentou a briga antes do jogo e afirmou que confusões desse tipo atrapalham o futebol brasileiro. "Eu já falei várias vezes em questão de paz, mas não adianta. Isso não tem de partir de nós. Enquanto nossas autoridades não se mexerem. A Inglaterra era o pior lugar em termos de torcida, e conseguiram resolver. Por que aqui não pode ser diferente?", reclamou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.