Cartola ameaça CBF com intervenção

O presidente da Federação Estadual de Futebol de Pernambuco, Carlos Alberto Oliveira, ameaça ir ao Ministério Público para pedir uma intervenção governamental na Confederação Brasileira de Futebol (CBF), tendo por base a "Medida Provisória de Moralização do Futebol Brasileiro". O dirigente, que é conhecido por sua oposição ao presidente da entidade Ricardo Teixeira, apesar de ser conivente com suas atitudes, está revoltado com o novo calendário que extingue os campeonatos regionais e aumenta o período de disputa do Campeonato Brasileiro. "O Ricardo não pode nos impor um calendário. Ele está passando por cima da decisão da Assembléia Geral e do estatuto da CBF. Isso é ilegal e pode ser passível de punição pelo Ministério Público, de acordo com a nova medida provisória", esbravejou Carlos Alberto Oliveira. "Ele diz ter o apoio de 25 das 27 federações (as exceções seriam Pernambuco e São Paulo)? Quero ver ele mostrar isso." Carlos Alberto Oliveira criticou o fato de o novo calendário acabar também com a Copa dos Campeões e deixar somente 12 datas para a disputa dos campeonatos estaduais. Ele lembrou que um Campeonato Brasileiro com a duração de oito meses não é compatível com o modelo do futebol brasileiro. A tendência é a de que o novo calendário seja oficializado por Ricardo Teixeira na próxima semana. "Fui traído por ele. No início do ano (durante a realização da Assembléia Geral, na Granja Comary, em Teresópolis, região serrana), o Ricardo veio me pedir pelo amor de Deus para aprovar as contas dele. Disse que não iria errar mais e ficou chorando", afirmou Carlos Alberto Oliveira. "Prometeu a todos os presidentes de Federações que sairia após a Copa do Mundo e nós acreditamos. Caí na conversa dele e fui traído. Isso não vai acontecer mais. O pior é que até de irmãozinho ele me chamou." Clube dos 13 - O calendário do futebol brasileiro também será assunto da reunião do Clube dos 13, nesta sexta-feira, às 14 horas, no Hotel Braston, em São Paulo. As agremiações vão discutir a viabilidade da proposta, assim como a redução do valor das cotas de TV com a adoção do novo calendário.

Agencia Estado,

22 Agosto 2002 | 19h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.