Manuel Clarke/Reuters
Manuel Clarke/Reuters

CAS marca audiência da Bolívia contra punição imposta pela Fifa

Futuro da seleção boliviana que foi punida pela escalação do zagueiro Nelson Cabrera será conhecido no dia 5 de junho

Estadão Conteúdo

24 Maio 2017 | 13h18

A Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) definiu que vai ouvir em 5 de junho a apelação da Federação Boliviana de Futebol que contesta punição estabelecida pela Fifa nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018 por causa da escalação do zagueiro Nelson Cabrera.

Nascido no Paraguai, o jogador entrou em campo pela Bolívia na vitória sobre o Peru e em um empate com o Chile. De acordo com a Fifa, o jogador não teria os requisitos necessários para se naturalizar boliviano e, por isso, declarou a seleção derrotada nas duas partidas por 3 a 0.

Se a CAS definir que a Bolívia tem razão, a tabela de classificação das Eliminatórias vai sofrer alterações. Apesar de ter pouco impacto para a própria seleção boliviana vice-lanterna com apenas dez pontos, a oito do oitavo colocado, os pontos que foram atribuídos ao Chile, se forem desconsiderados, vão favorecer Argentina e também o Equador.

Atualmente na quarta posição, a última que garante classificação direta para o torneio na Rússia, o Chile tem 23 pontos, um a mais que a Argentina, quinta colocada, e três à frente do Equador, em sexto. Se o Chile perder os dois pontos atribuídos por conta da punição da Fifa à Bolívia, o time vai cair para a quinta posição e deixar a Argentina em quarto, com um ponto a mais, e ficar a apenas um ponto do Equador, que permaneceria em sexto.

As seleções sul-americanas só voltam a campo pelas Eliminatórias da Copa no dia 31 de agosto. A Argentina joga fora de casa contra o Uruguai, o Chile recebe a seleção do Paraguai, e o Equador encara a seleção brasileira, a única já classificada para o Mundial de 2018.

Mais conteúdo sobre:
futebol Bolívia CAS Fifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.