Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians
Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Cássio vê Ronaldo como maior goleiro da história do Corinthians

Camisa 12 está perto de se igualar ao veterano com seis títulos no clube

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

03 Maio 2017 | 18h55

Cinco anos como titular do Corinthians, Cássio está muito perto de conquistar seu sexto troféu com a camisa alvinegra. No domingo, a time recebe a Ponte Preta, na Arena Corinthians, para confirmar o título paulista depois da vitória elástica por 3 a 0 na ida, em Campinas. A taça fará o goleiro se igualar ao ídolo Ronaldo Giovanelli no currículo. Apesar disso, o camisa 12 ainda vê o veterano à sua frente.

"Muitas pessoas fazem a pergunta de quem é maior goleiro da história do Corinthians. Para mim, é o Ronaldo Giovanelli, pelo fato de ele ter mais de 600 jogos. É bem complicado chegar aqui nessa marca pela pressão, a gente não tem meio-termo, o time está bem ou não está, fico feliz de fazer parte da história. Não tenho essa vaidade de achar que eu posso ser o maior, tenho contrato longo ainda, espero fazer muitos e muitos anos pelo Corinthians", afirmou.

Com 602 jogos, Ronaldo é o terceiro jogador com maior número de partida na história do clube. Entre suas conquistas, estão três Campeonatos Paulistas (1988, 1995 e 1997), um Brasileiro (1990), uma Copa do Brasil (1995) e uma Supercopa do Brasil (1991) - além de títulos de menor expressão. Já Cássio soma 275 partida com a camisa alvinegra e ostenta os títulos da Copa Libertadores e do Mundial de Clubes (2012), Campeonato Paulista e Recopa Sul-Americana (2013) e do Brasileiro (2015).

Apesar da superioridade numérica, o ex-goleiro elogiou o sucessor e retribuiu: "O Cássio, pela importância dos títulos que obteve, pela performance impecável no Mundial e na Libertadores, para mim é o maior na história do Corinthians".

Depois de ver Alessandro, Danilo e Ralf erguerem as taças das recentes conquistas corintianas, pode ser a vez de Cássio ter essa honra. O nome do capitão para o jogo do próximo domingo, na Arena Corinthians, ainda não foi definido, mas o goleiro é um dos favoritos a usar a braçadeira na finalíssima do Campeonato Paulista. "É legal essa situação de poder levantar a taça, mas a situação real é ser campeão. Não ganhamos ainda, conseguimos um bom placar, mas a gente sabe que vai ser jogo bem difícil. O intuito é ser campeão, quem vai erguer a taça fica em segundo plano", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.