Raúl Martínez/EFE
Raúl Martínez/EFE

Cavani diz que Uruguai 'merece' vaga e torce para Argentina ir à Copa

Vitória simples sobre a Bolívia basta para que Celeste confirme vaga na Rússia

Estadão Conteúdo

09 Outubro 2017 | 20h45

O Uruguai recebe a Bolívia nesta terça-feira para confirmar uma das vagas sul-americanas à Copa do Mundo do ano que vem. Uma vitória simples basta para a seleção celeste, segunda colocada das Eliminatórias, que pode se classificar mesmo em caso de derrota. Para o atacante Edinson Cavani, a classificação viria para coroar o trabalho realizado pelo técnico Oscar Tabárez e os jogadores.

"Classificar de forma direta é algo que merecemos pelo trabalho, mas também é histórico. E vai nos motivar para o que tivermos pela frente", declarou em entrevista ao jornal El País. "Tivemos alguns resultados que nos favoreceram muito e pudemos manter uma posição na tabela que nos permite sermos segundos a uma partida do fim."

Nesta segunda-feira, Tabárez encerrou a preparação uruguaia com um descontraído treino recreativo em Montevidéu. E se a equipe vive situação bastante cômoda na véspera da decisão, realidade bem diferente atravessa a rival Argentina, que corre o risco de ficar de fora da Copa.

"Acho que no futebol, é preciso jogá-lo, e quem for melhor, merece ir. Outros não merecem porque de repente as coisas não deram certo ou não foram feitas da forma necessária para poder chegar. O futebol e o mundo seguem", comentou Cavani sobre a situação argentina.

O atacante, porém, deixou a rivalidade de lado e admitiu que torce pela classificação argentina. O time de Jorge Sampaoli viaja para encarar o Equador e precisa vencer na altitude de Quito nesta terça-feira para ter chances de ir à Rússia. Caso contrário, a Argentina e Lionel Messi não disputarão o Mundial.

"Eu gostaria que eles fossem (para a Copa), porque é lindo ver um jogador como Messi dentro de campo, como Ronaldo, como Luis (Suárez), como Neymar, como Zlatan (Ibrahimovic), e outros jogadores com quem tive a oportunidade de jogar. Mas, bem, se acontecer de não irem, não vão. Vai continuar sendo um Mundial e o futebol vai seguir", opinou Cavani.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.