1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Choro de filho deixa Tinga abalado após ato de racismo em jogo da Libertadores

O Estado de S. Paulo

14 Fevereiro 2014 | 00h 10

Volante do Cruzeiro revela que filho foi quem mais sentiu o ato hostil da torcida do Real Garcilaso

SÃO PAULO - Mais do que a chateação por ter sido vítima do racismo da torcida do Real Garcilaso na quarta-feira, no Peru, o meio-campista Tinga, do Cruzeiro, o que realmente o abalou foi saber a reação do filho. Somente nesta quinta-feira ele teve conhecimento de que o garoto chorou bastante com o que lhe aconteceu. Isso foi o que mais doeu, disse Tinga na volta ao Brasil, após longa viagem desde a cidade peruana de Huancayo.

"O momento que realmente me deixou chateado foi quando soube que meu filho começou a chorar muito, sem entender o que estava acontecendo", disse Tinga à rádio CBN.

"E hoje (quinta-feira) ele não quis ir para a escola. Eu estou preparado, porque a minha vida sempre foi de provações, mas minha família não está preparada."

O jogador do Cruzeiro entrou em campo contra o Garcilaso aos 20 minutos do segundo tempo, em lugar de Ricardo Goulart. Recordou que começou a perceber torcedores imitando gestos e sons de macacos já quando se encaminhou para assinar a súmula. Em campo, tentou se concentrar o máximo que pode, mas admitiu que não foi possível.

Tinga revelou que, após o jogo, a primeira coisa que fez ao chegar ao hotel em que os cruzeirenses estavam hospedados foi ligar para a sua mulher.

"Ontem (quarta-feira), ela não quis me falar sobre a reação do meu filho. Só falou hoje (quinta-feira)."

A volta da delegação do Cruzeiro ao País foi longa, num total de três voos até Belo Horizonte. Quem acompanhou a viagem, diz ter observado que Tinga estava descontraído, brincando com os companheiros. Mas sua expressão era séria ao desembarcar em São Paulo. Próximo das 20h30 a delegação chegou ao aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, onde permaneceu por cerca de uma hora e fez conexão antes de seguir até o destino final.

O experiente jogador de 36 anos lamenta que manifestações racistas ainda ocorram nos dias atuais, e não apenas no futebol. Ele gostaria de ver a situação finalmente mudar.

"Na verdade, eu gostaria que isso não venha a acontecer novamente em outros jogos, em outras situações."

Para ele, a questão não é só de preconceito racial.

"A principal diferença não é só racial. Tem a social que é tão grande, eu acredito que até um pouco maior. Espero que a gente venha a mudar isso por nós mesmos. Não precisamos esperar por ninguém, que cada um possa mudar dentro de casa, no convívio com os amigos..."

O amplo apoio e as manifestações de solidariedade recebidas de autoridades e de companheiros é, para Tinga, um sinal de que é possível mudar o quadro e acabar com a intolerância. Antes mesmo da chegada do time do Cruzeiro no aeroporto de Confins, cerca de 30 torcedores do clube aguardavam a delegação com faixas de apoio a Tinga. O time chegou à capital mineira por volta da meia-noite desta sexta-feira.

REINCIDÊNCIA

Essa não é a primeira vez que Tinga é vítima do racismo. Em 2005, quando ainda defendia o Internacional, também foi vítima da intolerância racial, num jogo contra o Juventude em Caxias do Sul, pelo Campeonato Gaúcho.

"Aconteceu uma vez, um tempo atrás, em Caxias, há muito tempo, foi superado e se passaram quase 15 anos para acontecer uma coisa dessa."

Na época, o Juventude acabou punido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) com multa de R$ 200 mil, além da perda de dois mandos de campo.

A maneira tranquila, serena, como está encarando a situação é reflexo, segundo Tinga, de sua longa bagagem no futebol.

"Por viver no futebol, onde no domingo você é bom e na quarta-feira não é mais, a gente fica um pouco cascudo. Mas minha família não está preparada."

Tinga disse não ter noção exata da repercussão do caso, pelo fato de ter passado a maior parte desta quinta-feira em viagem, mas espera não ter de falar muito mais sobre o assunto.

"Eu vou ter de explicar o inexplicável, mostrar como as pessoas são fortes para algumas coisas e fracas para outras. Mas isso não muda nada na vinha vida."