Fabio Leoni/Ponte Press
Fabio Leoni/Ponte Press

Chuva atrapalha treino da Ponte Preta e Gilson Kleina mantém dúvidas para final

Principal preocupação é o zagueiro Yago, que com dores no joelho direito

O Estado de S.Paulo

05 Maio 2017 | 19h06

A forte chuva que caiu em Campinas (SP) na manhã desta sexta-feira atrapalhou o penúltimo treino da Ponte Preta para a final do Campeonato Paulista. O técnico Gilson Kleina não pode fazer as últimas experiências previstas para o CT do Jardim Eulina e terá que manter algumas dúvidas para enfrentar o Corinthians, às 16 horas deste domingo. A missão é quase impossível: devolver no estádio Itaquerão, em São Paulo, os 3 a 0 sofridos no Moisés Lucarelli.

Sem opção, os jogadores trabalharam apenas na academia com exceção dos goleiros, que ficaram com o preparador André Dias no gramado e debaixo de chuva. O grupo tem uma última atividade marcada para a manhã deste sábado, novamente no CT e com portões fechados. A ideia inicial era repetir o esquema da semana passada, com um recreativo no gramado do estádio Moisés Lucarelli e com a presença da torcida.

Principal dúvida para o jogo, o zagueiro Yago mais uma vez não trabalhou com o restante do grupo e está praticamente descartado. Ele saiu no segundo tempo da derrota em casa no primeiro jogo reclamando de dores no joelho direito e ficou esta semana entregue ao departamento médico.

Por outro lado, Marllon volta a ficar à disposição depois de cumprir suspensão automática pelo terceiro cartão amarelo e reassume a sua posição no time titular. Fábio Ferreira, que jogou no último final de semana, não rendeu o esperado e volta para o banco de reservas. Ele está de saída, indo para o Criciúma.

Embora Gilson Kleina tenha treinado o time com três zagueiros, o mais provável é que ele faça o mais simples: escale um zagueiro ao lado de Marllon. Existem várias opções como Reynaldo, Kadu e Naldo. Nino Paraíba deve continuar na lateral direita e Artur na esquerda.

Embora tenha treinado com o meia Renato Cajá, o técnico pode manter a formação com três volantes: Fernando Bob, Elton e Jadson. E manter o ataque como grande esperança de gols com Lucca (sete gols), William Pottker (nove) e Clayson.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.