Clayson sai do banco e comanda vitória do Corinthians sobre o Coritiba

Clayson sai do banco e comanda vitória do Corinthians sobre o Coritiba

Atacante entra no segundo tempo e define triunfo por 3 a 1 sobre os paranaenses

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

11 Outubro 2017 | 22h56

Parecia que seria mais uma noite em que o líder do Brasileirão não conseguiria um resultado condizente com sua posição, mas foi preciso Clayson sair do banco de reservas e mais uma vez fazer a diferença, como aconteceu nos últimos dois jogos, contra São Paulo e Cruzeiro. Comandado pelo inspirado Clayson, o Corinthians venceu o Coritiba por 3 a 1 em sua arena, e garantiu, pelo menos, que a diferença na ponta continue em oito pontos.

+ LANCES - Veja como foi a vitória do Corinthians

+ TABELA - Corinthians volta a abrir larga vantagem; confira

Sem poder contar com Pablo, que chegou a ser relacionado, mas não conseguiu se recuperar de dores musculares, Carille escalou Pedro Henrique e Balbuena na zaga e viu o Corinthians começar em alta velocidade, com toques rápidos e jogadas envolventes de Jadson e Marquinhos Gabriel, que ficavam intercalando entre o meio e o lado esquerdo do ataque corintiano.

Sufocando o Coritiba, os mandantes abriram o placar logo aos nove minutos. Jadson acertou um toque de calcanhar na medida para Jô dominar e bater na saída do goleiro Wilson. Belo gol na Arena Corinthians, o 14º gol do atacante no Campeonato Brasileiro. 

O lance acabou sendo também uma vitória para Jadson, tão criticado nos últimos jogos, mas que mesmo assim, foi mantido na equipe por Carille. Parecia que a noite seria da reabilitação do meia e de um resultado positivo conquistado sem grandes sustos, mas o Coritiba teve que sair do campo de defesa, pois uma derrota, complicaria demais sua vida na luta contra o rebaixamento. 

E foi assim que começou a brilhar a estrela de Cássio. O goleiro, que na terça-feira ficou no banco de reservas da seleção brasileira contra o Chile, assim que acabou a partida no Allianz Parque, foi direto para o CT Joaquim Grava se concentrar com seus companheiros de Corinthians. 

Antes de levar o gol, em que não teve culpa, Cássio aproveitou para mostrar à Tite que realmente merecia estar entre os selecionáveis. Ele fez pelos menos três excelentes defesas, ou milagres, para quem preferir chamar assim. Em menos de dez minutos, ele pegou uma cabeçada de Cleber Reis, uma tentativa de Henrique Almeida (que depois o árbitro marcou impedimento) e mais uma outra do atacante, que apareceu livre na pequena área e o goleiro dividiu com ele e levou a melhor. 

+ Clayson agradece dica de Pottker e espera dar 'dor de cabeça boa' para Carille

+ Arana se esquiva sobre proposta e Carille assume culpa por queda de rendimento do lateral

Até que aos 39, não deu para evitar. Thiago Carleto cobrou escanteio, Henrique Almeida aproveitou que a defesa corintiana ficou parada – principalmente Pedro Henrique - e, livre, saltou bonito e cabeceou. Cássio parecia assustado ao ver o atacante sozinho na sua frente e nada conseguiu fazer. Antes de acabar o primeiro tempo, Pedro Henrique ainda se aventurou ao ataque e, após cair dentro da área, reclamou bastante pelo árbitro não marcar pênalti.

O tempo mudou e o Coritiba continuou em cima, se aproveitando, principalmente, da má noite de Guilherme Arana, irreconhecível. O jovem lateral teve uma atuação muito ruim tanto no ataque quanto na defesa. Empolgado, o Coxa quase virou aos 4, com Tiago Real, que chutou cruzado e foi preciso mais um milagre de Cássio.

Ciente de que o Coritiba parecia mais próximo da virada do que do Corinthians marcar o segundo gol, Carille resolveu tirar Maycon e colocar Clayson, pois precisava ter mais opções na criação e para segurar a bola no ataque. A mudança fez o time da casa mudar de postura e buscar a vitória. 

Aos 20, Marquinhos Gabriel cruzou e Clayson quase marcou de cabeça. Wilson pegou. O tempo ia passando e nada de sair o gol. A torcida, impaciente, começou a pedir Pedrinho, que voltou a ficar como opção no banco de reservas após se ausentar por vários jogos.

Antes que Carille pensasse em fazer o que a torcida pedia, Clayson também mostrou que estava em uma noite inspirada. Aos 33, Léo Príncipe cruzou, Rodriguinho desviou para o atacante dominar e chutar quase caindo para colocar o Corinthians na frente de novo. O mesmo atacante que marcou gols no empate com São Paulo e Cruzeiro nos últimos dois jogos (ambos por 1 a 1). 

E para a festa ficar completa, o talismã corintiano contou com a sorte para fechar o placar. Aos 43, Rodriguinho chutou de longe, a bola bateu na trave e voltou nos pés de Clayson, que só teve o trabalho de empurrar para as redes, garantir o resultado positivo e mostrar que, ao contrário do que muita gente fala, Carille pode contar com seu banco de reservas. 

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS 3 x 1 CORITIBA

Gols: Jô, aos 9, e Henrique Almeida, aos 39 do 1º Tempo; Clayson, aos 33 e aos 43 do 2º Tempo.

CORINTHIANS: Cássio; Léo Príncipe, Balbuena, Pedro Henrique e Guilherme Arana; Camacho, Maycon (Clayson), Rodriguinho, Jadson (Fellipe Bastos) e Marquinhos Gabriel; Jô (Kazim). Técnico: Fábio Carille.

CORITIBA: Wilson; Léo, Werley, Cleber Reis e Thiago Carleto (William Matheus); Edinho (Yan Sasse), Alan Santos, Matheus Galdezani e Tiago Real (Neto Berola); Rildo e Henrique Almeida. Técnico: Marcelo Oliveira. 

Juiz: Claudio F. Lima e Silva (SE).

Cartões amarelos: Thiago Carleto, William Matheus.

Público: 36.439 pagantes.

Renda: R$ 1.872.944,00.

Local: Arena Corinthians, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.