1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Futebol Internacional

Conheça as seleções que estão classificadas para a Copa do Mundo

Diogo Coelho - O Estado de S. Paulo

11 Setembro 2013 | 19h 11

Nesta semana, cinco equipes garantiram vaga no Mundial que será realizado no Brasil em 2014

SÃO PAULO - Na última terça-feira, cinco seleções garantiram vagas para a Copa do Mundo de 2014. São elas: Itália, Holanda, Costa Rica, Estados Unidos e Argentina. Além dessas, outras quatro já tinham se classificado anteriormente, sem contar o Brasil, o país-sede: Irã, Austrália, Japão e Coreia do Sul. Ao todo, a Copa do Mundo já tem dez seleções que conseguiram carimbar o passaporte. Veja o que cada uma tem a oferecer em 2014.

BRASIL

Ponto forte - A seleção brasileira mostrou nítida evolução após a entrada do técnico Luiz Felipe Scolari no lugar de Mano Menezes. Com ele, o time foi campeão da Copa das Confederações, apresentando melhora em todos os setores do campo, mas sobretudo na defesa, que tem Thiago Silva e David Luiz como titulares absolutos. Na frente, o Brasil também aposta e jogadores decisivos como o craque Neymar, o meia Oscar e o atacante Fred.

Ponto fraco - Mesmo com bons jogadores no ataque, a seleção demonstra dificuldade para furar retrancas. Além disso, por ser uma equipe relativamente jovem, falta experiência e a pressão da torcida pelo hexa pode pesar nos momentos decisivos em 2014.

ARGENTINA

Ponto forte - Conta com excelentes jogadores do meio de campo para frente, incluindo, claro, Lionel Messi, eleito o melhor jogador do mundo nas últimas quatro temporadas. A Argentina é forte na parte ofensiva e tem na habilidade de seus jogadores seu principal trunfo.

Ponto fraco - Mesmo com a segunda melhor defesa das Eliminatórias para a Copa do Mundo, o setor não tem jogadores renomados como o Brasil e carece de um goleiro mais confiável.

HOLANDA

Ponto forte - Sob o comando do experiente Louis van Gaal, a atual vice-campeã mundial vive um processo de renovação. Com uma boa safra de jovens oriundos de Ajax, PSV e Feyenoord, a mescla com jogadores experientes como Arjen Robben, Wesley Sneijder e Robin van Persie podem trazer bons frutos.

Ponto fraco - Possui zagueiros muito jovens e laterais que não atacam muito.

ITÁLIA

Ponto forte - Depois do vexame em 2010, a Itália encontrou um bom rumo sob o comando de Cesare Prandelli. Respeitando as tradições italianas, o treinador montou um conjunto sólido baseado em uma boa defesa e um rápido contra-ataque. Tem no talento de Balotelli e Pirlo dois pontos de referência, e ainda goza da experiência de Buffon.

Ponto fraco - Assim como na Copa das Confederações, o forte calor brasileiro pode prejudicar a atuação de alguns jogadores veteranos, sobretudo de Pirlo, principal armador do time. A Itália aposta muito em Balotelli, mas quando ele não está em campo, a equipe carece de atacantes e referência na área adversária.

JAPÃO

Ponto forte - O time nipônico baseia seu jogo na velocidade e possui jogadores em times importantes da Europa, como Kagawa (Manchester United), Honda (CSKA Moscou) e Nagatomo (Inter de Milão). Isso dá ao Japão um pouco mais de experiência e respeito dos rivais.

Ponto fraco - Devido à pouca experiência internacional e quase nenhuma conquista importante, falta confiança aos japoneses nos momentos decisivos. Um exemplo disso foi na última Copa das Confederações, quando a seleção asiática vencia a Itália por 2 a 0, mas permitiu a virada para 4 a 3.

COSTA RICA

Ponto forte - Possui uma equipe organizada e disciplinada, com laterais rápidos e jogadores com experiência internacional, como Celso Borges (AIK, da Suécia), Bryan Ruiz (Fullham, da Inglaterra) e Joel Campbell (Olympiacos, da Grécia). Nas eliminatórias da Concacaf, teve resultados expressivos como a vitória diante dos Estados Unidos e empate com o México fora de casa.

Ponto fraco - Tem pouca experiência internacional (participou de apenas quatro Copas do Mundo). A única vez que passou da fase de grupos foi em 1990, quando caiu no grupo do Brasil e superou Escócia e Suécia.

ESTADOS UNIDOS

Ponto forte - Conseguiu a classificação com facilidade, fazendo 16 pontos na fase final, um a mais que a Costa Rica. Tem jogadores experientes, como o goleiro Tim Howard e o eterno atacante Landon Donovan, eleito o melhor jogador jovem da Copa do Mundo de 2002.

Ponto fraco - Com um país pouco tradicional no futebol, os Estados Unidos têm um time modesto, sem nenhuma grande estrela internacional. Se tiver sorte, pode pegar uma chave fácil e avançar para as oitavas de final.

IRÃ

Ponto forte - O Irã fez uma campanha sólida nas Eliminatórias da Ásia, com apenas duas derrotas. Possui quatro participações em Copas do Mundo. Vem para o Brasil como franco-atirador.

Ponto fraco - Tricampeão da Copa da Ásia (1968, 1972 e 1976), o Irã jamais passou da fase de grupos em um Mundial e apenas dois jogadores do atual elenco atuam fora do Irã: Masoud Shojaei, no Las Palmas (Espanha) e Reza Ghoochannejhad, no Standard Liège (Bélgica).

COREIA DO SUL

Ponto forte - A Coreia do Sul possui bastante experiência em Copas do Mundo, com nove participações. Em 2002, quando foi uma das sedes do Mundial, foi quarta colocada, sendo superada pela Turquia na disputa pelo 3.º lugar.

Ponto fraco - Apesar de ter uma seleção relativamente jovem, não possui nenhum jogador de destaque no cenário internacional.

AUSTRÁLIA

Ponto forte - Garantiu sua zaga após conseguir a segunda colocação no Grupo B das Eliminatórias da Ásia. É a atual vice-campeã asiática e vai para a terceira participação seguida em Copas do Mundo. Em 2006, chegou nas oitavas de final e foi eliminada pela Itália, após um suado 1 a 0.

Ponto fraco - Assim como a maioria das seleções fora do eixo América Latina-Europa-África, não possui jogadores de expressão no futebol mundial.

Futebol Internacional