1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Futebol Internacional

Conmebol anuncia apoio a Infantino na eleição da Fifa

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 12h 35

Infantino tentará ocupar o lugar de Joseph Blatter

A Conmebol anunciou nesta quinta-feira quem irá apoiar na eleição para presidência da Fifa. Candidato da Uefa para substituir Joseph Blatter, o também suíço Gianni Infantino ganhou o respaldo de outra das principais confederações continentais da modalidade, conforme anunciou a entidade sul-americana através de seu site oficial.

"O Comitê Executivo da Conmebol decidiu apoiar a candidatura e o plano de trabalho à presidência da Fifa do senhor Gianni Infantino. O novo Comitê Executivo da Conmebol manifestou sua aprovação unânime de votar em bloco no senhor Gianni Infantino", informou a entidade.

Infantino se firma como um dos favoritos a substituir Blatter
 

Infantino se firma como um dos favoritos a substituir Blatter
 

Na última terça-feira, Infantino esteve na sede da Conmebol, em Luque, no Paraguai, para acompanhar a Assembleia Extraordinária da entidade, que definiu Alejandro Domínguez como seu novo presidente. É provável que ali ele tenha conseguido o apoio dos sul-americanos, uma vez que outro candidato a comandar a Fifa, Ali bin Al-Hussein, também esteve presente.

Com o apoio da Conmebol, Infantino se firma como um dos favoritos a substituir Blatter na eleição que acontecerá no dia 26 de fevereiro. Além da Conmebol e da Uefa, que deve apoiá-lo em peso, o suíço também já conseguiu o respaldo da região do Caribe, através da União Caribenha de Futebol.

Além de Infantino e Al-Hussein, concorrerão à presidência da Fifa: o ex-vice-secretário-geral da Fifa Jérôme Champagne, o empresário e político sul-africano Tokyo Sexwale, e o xeque Salman Bin Ebrahim Al Khalifa, que aparece como principal adversário do suíço, uma vez que preside a Confederação Asiática de Futebol e já firmou um acordo com a Confederação Africana.

Infantino só entrou na disputa pela presidência da Fifa depois que Michel Platini, então presidente da Uefa e candidato inicial com apoio da entidade, foi suspenso por conta de envolvimento no caso de corrupção que manchou o futebol no ano passado. Com o gancho de oito anos confirmado ao francês, o suíço ganhou ainda mais força e agora luta para distanciar sua imagem da do ex-jogador.

Na semana passada, ele divulgou o manifesto de sua candidatura. Suas principais plataformas davam conta de ampliar a Copa do Mundo de 32 para 40 seleções e dividir o torneio entre sedes de diversos países de uma região. Além disso, ele promete compartilhar melhor os lucros da Fifa com as federações nacionais, principalmente as mais necessitadas.

Futebol Internacional
Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.